[Evento] - Sessão de autógrafos com Pedro Bandeira

Na última sexta-feira, dia 26 de setembro, o escritor Pedro Bandeira esteve em Belo Horizonte para o lançamento do livro "A droga da amizade". Os personagens Magrí, Crânio, Miguel, Calu e Chumbinho estão de volta, no livro que encerra a série "Os karas". Fiquei sabendo do evento através de um post da Brenda, no Catavento de Ideias, e a ansiedade não cabia em mim!

Pedro Bandeira é o autor de literatura infantojuvenil que mais vende no Brasil e marca, com certeza, muitas infâncias. Na fila, vi gente de todas as idades: Adultos nostálgicos; crianças que conheceram recentemente seu trabalho; pessoas que, como eu, já não são mais crianças e continuam se deliciando com a literatura voltada para esse público.

Contei a ele o quanto "O fantástico mistério de Feiurinha" foi importante para fomentar meu gosto pela leitura e fiquei impressionada com sua paciência e simpatia. Ver de pertinho, abraçar e ganhar beijo de alguém tão talentoso e fundamental para a literatura nacional foi, sem dúvida alguma, uma experiência inesquecível. 

Os Karas
  • A droga da obediência
  • Pântano de sangue
  • Anjo da morte
  • A droga do amor
  • Droga de americana!
  • A droga da amizade
"A droga da amizade"
Como Miguel começou a Turma dos Karas? Como conheceu e por que escolheu Magrí, Crânio, Calu, Chumbinho e a americana Peggy para formar esta turma tão especial? E por que Andrade era um policial diferente, melhor do que qualquer outro? Como cada um deles demonstrou ao líder dos Karas que era uma pessoa especial, tanto pela coragem, quanto pela honestidade, pelo caráter e pelo desejo de mudar o mundo para melhor? E o que terá acontecido com eles depois de todas as aventuras que estes sete heróis viveram? Em que se terão transformado todos eles depois de adultos?

Pedro Bandeira
Nasceu em Santos, em 1942. Trabalhou em teatro profissional como ator, diretor e cenógrafo. Foi redator, editor e ator de comerciais de televisão. A partir de 1983 tornou-se exclusivamente escritor. Sua obra, direcionada a crianças e jovens, tem ganhado diversos prêmios, como Jabuti, APCA, Adolfo Aizen e Altamente Recomendável, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Já vendeu mais de 20 milhões de exemplares de seus livros.

Fonte: Editora Moderna

Ele estará em Porto Alegre amanhã e, no dia 01/10, em Curitiba. Confira locais e horários aqui.

[Resenha] - Livro: Uma Relação Perigosa

Eis que, fazendo algumas pesquisas sobre o movimento feminista, deparo-me com a francesa Simone de Beauvoir. Símbolo da libertação feminina, Simone foi escritora e filósofa existencialista. Entre suas principais obras, encontram-se "O Segundo Sexo" e "Memórias de uma moça bem-comportada", autobiográfico.

Meu amor por ela foi quase instantâneo! Dessa forma, mal pude acreditar quando "Uma Relação Perigosa", de Carole Seymour-Jones, foi lançado. Nele, explora-se tanto a vida de Simone quanto a de seu parceiro, Jean-Paul Sartre, além de esclarecer diversos pontos sobre o relacionamento dos dois e desmentir grande parte das histórias pessoais contadas por Simone em seus livros. O livro também aborda a vida política do casal, comunistas convictos que, inclusive, não se opuseram de forma relevante aos regimes totalitários vigentes na época.

Uma Relação Perigosa
Esta biografia dupla narra a história de dois dos maiores ícones intelectuais do século XX: Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre. O livro é o retrato de suas vidas, desde a infância até a morte, e uma incisiva reconstrução da ligação entre eles - na verdade, uma recusa em casar-se.

Dos corredores da Sorbonne aos cafés da Rive Gauche, descobrimos como a talentosa Simone se apaixonou pelo arrogante Jean-Paul. Carole Seymor-Jones descreve o primeiro verão que passaram juntos, em 1929, os debates acalourados que se prolongavam noite adentro, a competição sexual, as traições, as ideias perigosas que levavam as pessoas a experimentar novos comportamentos e o amor profundo que este casal incomum tinha um pelo outro.

Uma relação perigosa é recheado de detalhes insólitos, intrigas nefastas, encontros, traições e comportamentos libertinos. Um relato fascinante sobre o que está por trás da lenda criada por esta dupla brilhante.
A edição do livro, feita pela Record, ficou muito bonita. As páginas centrais são ocupadas por fotos de Simone, de Sartre e de outros personagens fundamentais na vida dos dois, como Nelson Agren (um dos namorados que Simone teve durante seu relacionamento aberto com Sartre).


A vida desse casal de filósofos influenciou de forma definitiva o pensamento de século XX, principalmente pelo ideal de libertação sexual seguido por ambos. Dessa forma, recomendo a todos a leitura dessa biografia surpreendente e apaixonante!

[Resenha] - Livro: A verdade sobre nós

O livro "A verdade sobre nós", escrito por Amanda Grace, editora Intrínseca, é narrado em forma de carta pelas mãos da personagem Madelyn Hawkins. Aos 16 anos, a protagonista já cursa créditos na faculdade, por ser uma aluna acima da média.

Sempre cobrada pelos pais, que depositavam nela toda a confiança de um futuro de sucesso, ela é frustrada e infeliz. Tudo o que quer é decidir sozinha quais rumos sua vida tomará - apesar de não ter certeza de nada.

Na primeira aula de biologia, Madelyn se apaixona pelo professor Bennet Cartwright, de 25 anos. O sentimento é recíproco. Ela não revela sua verdadeira idade e os dois começam a se encontrar com frequência.

Os encontros, no entanto, só envolvem conversas e amizade. Decidem, juntos, que só se beijarão ou começarão algo sério depois que o trimestre acabar - e Bennet deixará de ser professor de Madelyn. Como ele desconhecia a verdade, acreditava que o único detalhe que os separa era essa condição profissional. Os dois anos que tornavam aquele romance proibido, no entanto, ele desconhecia. E foi por causa disso que tudo desmoronou.
 --
Opinião: Confesso que escolhi esse livro pela capa. Achei singela e romântica. Não gosto de histórias (reais nem fictícias) de pessoas em situação de poder se envolvendo com menores de idade, mas dei uma chance ao livro pelo fato da menina ter "enganado" o professor, fingindo ser mais velha. No entanto, ao longo da leitura, não consegui simpatizar com nenhum dos dois, nem levantar um julgamento sobre culpa ou inocência do professor. Realmente, ele não sabia sobre a idade, mas talvez tenha se aproveitado da posição que ocupava na faculade. Madelyn parece ser totalmente ingênua, apaixonando-se pela primeira vez, sem se dar conta das implicações que isso poderia trazer. A leitura é leve e rápida, mas encontrei um erro ortográfico, "vizualização" (assim, com Z), que doeu na alma. rs O livro não apresenta reviravoltas no enredo, pois desde o início já se sabe o que acontece no final, o que tira todo o suspense. Confesso que não foi uma das minhas leituras favoritas, mas alguns trechos em que Madelyn fala sobre seus sentimentos são bem bonitos.
Avaliação:

O livro está disponível para compra em vários sites, como Livraria da Folha, Livraria da Travessa, Fnac, Submarino e Livraria Cultura. Em breve iremos sorteá-lo aqui e vou querer saber se concordam ou discordam comigo! :P

[Fotos] - Destrua este diário III

Olá!

Já tem tempo que não posto minhas destruições, né? Trouxe algumas fotos do que fiz desde as últimas postagens ([Fotos] - Destrua este diário e [Fotos] - Destrua este diário II).

Para quem não conhece esse livro, falei dele em [Resenha] - Livro: Destrua este diário. Espero que gostem!

O segundo lacinho que havia colado na capa caiu.


Desenhando com a mão esquerda...
Adorei costurar a página! haha Aproveitei e colei uns retalhos para alegrar um pouco o desenho.
--
Agora também existem capas diferentes, nas cores vermelho e cinza. Esse livro está à venda em livrarias e também pode ser encontrado em lojas virtuais. Separei algumas ofertas:

♥ Kit com as três capas: Submarino (por R$ 54,90)

Alguém aí também anda destruindo o seu?

[Resenha] - Livro: Beijos Roubados

O livro "Beijos Roubados", escrito por Nora Roberts, Editora Harlequim, conta, em 418 páginas, duas histórias de amor. Uma promessa quebrada e Um amor em construção têm em comum o fato de os protagonistas serem arquitetos. 
"Uma promessa quebrada" 

A escritora Jackie foi enganada. Alugou de seu primo uma casa maravilhosa, mas depois de algum tempo teve a surpresa: a casa possuía um outro dono, que chegou de viagem e queria que ela saísse de lá imediatamente. Este dono era Nathan, um frio arquiteto que quase ficou louco com o comportamento descontrolado e expansivo de Jackie. Ele permitiu que ela ficasse por lá por algumas semanas, em troca, como ela sugeriu, cozinharia para ele. A convivência fez com que os dois se aproximassem, mas as diferenças entre eles eram enormes e dificultavam muito o romance que Jackie estava decidida a viver.

"Um amor em construção"

Cody, sócio e amigo de Nathan, foi trabalhar em um projeto no deserto. Ele só não contava que, ao chegar lá, teria como parceira de trabalho a engenheira mais cabeça-dura, reclamona e brava que existia no mundo. E, além de tudo, era linda. Os dois não se suportavam e discutiam o tempo todo, até perceberem que a atração era inegável e seria difícil lutar contra ela. Pela primeira vez encontraram pessoas capazes de mudar seus conceitos, deixando que um ocupasse na vida do outro o primeiro lugar - antes ocupado, em ambos os casos, pelo trabalho.
Opinião: Frisei na introdução que os dois homens são arquitetos porque a autora repete isso o tempo todo! Não sei como ela conseguiu pensar em tantas metáforas e comparações entre vida amorosa e arquitetura! Uma curiosidade bacana é que Jackie, em "Uma promessa quebrada", escreve um romance chamado "Fora da Lei". Esse romance histórico, também de Nora Roberts, foi publicado pela Harlequim.

De início, não estava presa à leitura. A partir da segunda história, no entanto, comecei a gostar. Acho que a simpatia foi maior com Cody e Abra, os diálogos entre os dois eram mais intensos e divertidos. O final de “Um amor em construção” foi bem bacana e acabei me emocionando. Este foi o primeiro livro de Nora Roberts que li e ainda não consegui formar uma opinião a respeito dela, se gosto ou não. A única coisa que tenho certeza é de que sentirei falta de Cody e Abra.

[Resenha] - Livro: São Bernardo

"Fiz coisas boas que me trouxeram prejuízo; fiz coisas ruins que me deram lucro. E como sempre tive a intenção de possuir as terras de S. Bernardo, considerei legítimas as ações que me levaram a obtê-las."

O livro "São Bernardo", escrito por Graciliano Ramos, é narrado em primeira pessoa pelo personagem Paulo Honório - fazendeiro de origem pobre que enriqueceu por meios desonestos.

Ele decide escrever a história de sua vida depois de uma dolorosa perda que o magoa, mas que fora ocasionada por ele próprio. Durante a juventude, esfaqueou um homem. Foi preso e, na prisão, aprendeu a ler. Não sabe quase nada sobre sua família, tendo sido criado pela doceira Margarida.

Arquiteta um plano para levar à falência o "amigo" Luís Padilha, dono da fazenda São Bernardo. Ao atingir o objetivo, compra a propriedade, realiza o antigo sonho e passa a ser chefe do lugar. Consegue ampliar as fronteiras de suas terras utilizando violência e sua influente rede de contatos, formada por Casimiro Lopes, o jornalista Gondim, o padre Silvestre e o advogado Nogueira.

Paulo Honório percebe, então, que está na hora de casar. Engata um relacionamento com a professora Madalena, que logo se torna sua esposa. Ela vai morar na fazenda e leva consigo sua tia Glória. O casamento, no entanto, é marcado por brigas e desconfianças. Apesar do ganho material, Paulo Honório possui um complexo de inferioridade que acaba descontando sobre Madalena.

A esposa - de opiniões fortes - luta por melhorias na qualidade de vida dos empregados, sente-se só e, por mais que goste de Paulo, sofre muito com seu autoritarismo. Inteligente e bela, escreve uma carta de várias páginas e o marido acaba encontrando uma dessas partes. Indaga aos gritos quem é o destinatário e ela, calmamente, responde ao marido que o excesso de ciúme estragou a história que poderiam ter construído.

O restante da carta Paulo Honório só viria a ler no dia seguinte - em circunstâncias absurdamente tristes.

Opinião: Li esse livro por conta da escola e, recentemente, reli para o projeto Tertúlia Literária, da Faculdade de Educação da UFMG, do qual agora faço parte. A intensidade, essa força quase brutal da escrita de Graciliano, faz da obra instigante e envolvente. Um convite à reflexão sobre o ciúme, a sede de poder, o caráter e, também, sobre os direitos humanos. 

Avaliação:

[Resenha] - Livro: Dissolução

Livro com conteúdo adulto (+18)
Capa do livro em inglês
O livro "Dissolução", escrito por C. Lemes, possui 525 páginas. Ele foi lançado em inglês e, recentemente, a autora decidiu traduzi-lo. Não há um gênero que possa ser usado para classificá-lo, tendo em vista que a narrativa transita por diferentes estilos. A conexão das informações, as revelações, os conflitos, o sexo, a traição, o sofrimento... Tais elementos fazem da trama irresistível e complexa.

Os personagens não são totalmente bons, nem totalmente maus, o que torna difícil escolher por quem torcer. Há tensão em todos os momentos, mesmo naqueles em que os envolvidos experienciam suposta paz. O texto é amarrado e rico, num trabalho minucioso de descrição.

 A obra, primeira da Trilogia Woodsons, é dividida em três:

O livro de Cláudia

Na primeira parte, o leitor tem contato com a mulher linda e sedutora que é Claudia. Quando seu marido, o mafioso Tony, é preso, ela se vê diante da oportunidade perfeita para fugir. Junto a sua amiga Mia, começa uma nova vida em New Haven. Logo no início, as duas conhecem os irmãos Johnny, James e Patrick, que vivem numa mesma casa, junto também da esposa de James, Julie, e do bebê do casal.

A presença de Cláudia abala completamente a tranquilidade da família, uma vez que ela mantém um relacionamento com Patrick - o "garanhão" da cidade -, mas acaba despertando o desejo do casado James. Enquanto vive um romance ardente com o mais velho, Cláudia se torna motivo de intermináveis brigas entre Julie e o marido.

Clauds e Mia abrem um bar em parceria com Evelyn, amiga de ambas. O negócio começa a engrenar, enquanto conflitos, perdas e mágoas também atingem a vida das personagens. Fugir do passado não é tão simples quanto parece.

O livro de Charlie

Também chamado de "o livro da vingança", conta a história sob a perspectiva da máfia italiana atuante no Estados Unidos, cujo chefe é o ex-marido de Cláudia.

Charlie é filho de uma irlandesa chamada Loreen que, durante a mocidade, foi violentada por jovens italianos, sob a "chefia" de Tony. Em seu 18º aniversário, a mulher decide contar que ele é, na verdade, filho também daquele monstro.

Desorientado e com raiva,  Charlie arquiteta um plano para se infiltrar na máfia, conquistar a confiança do pai e, depois disso, conseguir se vingar. Mas é difícil seguir com o combinado quando a admiração forjada passa a se tornar real, quando o pai que odeia também faz com que ele se sinta amado.

Misturado a morte, violência, drogas e sofrimento, existe um pouquinho de amor. Charlie se apaixona por uma prostituta, com quem começa a construir uma história em segredo. Mas nem o mais verdadeiro dos sentimentos resiste ao controle da máfia, a suas mentiras e a suas duras punições.

Diário de Beth Woodson
— Billy, — ela sussurrou — vou perder a minha melhor amiga!
— Eu perdi você. Estaremos quites.
Em meio aos dois livros já citados, existem trechos do diário de Beth, a matriarca da família Woodson. Com a aproximação de sua morte, ela decidiu deixar seus diários aos cuidados do caçula Johnny. O leitor tem acesso, então, ao passado sombrio e confuso daquela mulher de espírito livre que, por amar demais, sofreu e fez seus queridos sofrerem também.

Daniel, Madge e Billy levavam tranquilamente suas vidinhas. A chegada da jovem Beth a New Haven tornou as coisas mais alegres e interessantes, e os quatro se tornaram amigos inseparáveis. Madge era vítima de um pai abusivo e, convivendo com Beth, passou a ser mais confiante. Um dia, vendo as agressões sofridas pela amiga, Beth lutou para defendê-la e acabou assassinando o homem, libertando Magie daquele martírio. Após esse acontecimento - que não foi intencional - Beth teve um pesadelo com o morto, que pareceu vir para amaldiçoar sua futura família.

Beth e Danny começaram a namorar e Billy e Madge também. Dois casais de amigos em total tranquilidade, certo? Claro que não! Billy e Beth passam a se encontrar às escondidas e o resultado desse romance é um segredo que tentam guardar para sempre. Já casados (Billy e Madge; Beth e Danny), os conflitos não cessam, mas o amor entre os amigos é forte e eles tentam manter as aparências. Beth, mãe de Johnny, James e Patrick, luta para mantê-los bem e livres daquela maldição que acredita pairar sobre eles.

Avaliação:

Opinião: Não sei descrever a confusão de sentimentos que esse livro me despertou. Ele me envolveu e encantou de uma forma absurda! Como vocês sabem, costumo ler coisas mais... tranquilas. "Dissolução" veio para abalar meu psicológico e me deixar totalmente presa a ele. O que mais gosto da literatura é isso... ela sempre é capaz de me surpreender. Cláudia Lemes, escritora brasileira, contou diversas histórias entrelaçadas, com a narração mais "onisciente" que eu já vi. O que quis dizer é que temos acesso ao pensamento e ao que cada personagem está sentindo, independente de sua importância na história. Nunca havia tido contato com uma obra tão detalhada. Os personagens, como mencionei na resenha, são seres humanos reais, que encantam e decepcionam o leitor a todo momento. A tradução apresentou alguns errinhos de edição, mas que já estão sendo corrigidos. Em outubro o livro será lançado pela Editora Multifoco! Estou ansiosa por esse lançamento, pois quero ver mais gente lendo essa história para comentar comigo! haha Um livro que ficará marcado e que me fez ficar doida para ler a continuação (Ilusão e Absolvição). Recomendadíssimo! 

* cortesia da autora


Ficaram curiosos? Os três primeiros capítulos estão disponíveis aqui.

Saiba mais sobre "The Woodsons"!

[Sorteio] - Livro: Peter Pan

Bom dia!

Hoje trago uma maravilhosa notícia: faremos sorteio de um exemplar do livro "Peter Pan", edição bolso de luxo, da Zahar. Ele foi resenhado aqui ([Resenha] - Livro: Peter Pan) e posso garantir que é um dos livros mais fofos do mundo!

Então, se quiser viajar com o menino que não cresce para a Terra do Nunca, assim como fizeram Miguel, João e Wendy, preste atenção às regras e boa sorte!


Regras
Para participar você só precisa:
1. Ter endereço de entrega no Brasil;
2. Curtir a página do Ratas de Biblioteca no facebook;

3. Preencher o formulário abaixo uma vez.

Chances extras
Você pode preencher o formulário mais uma vez sempre que:
1. Compartilhar a imagem da promoção no Facebook PUBLICAMENTE (não se esqueça deste detalhe, você precisa alterar a configuração de privacidade);
Exemplo de post "público".

Atenção: Não há limites compartilhamentos no Facebook, mas pedimos que seja apenas uma vez por dia, ok?

2. Divulgar o sorteio em seu blog;
3. Comentar em qualquer post do Ratas que tenha sido publicado a partir do dia 08/09/2014.
4. Seguir o @rtsdebiblioteca no Twitter;
5. Tweetar "Também quero conhecer a Terra do Nunca, @rtsdebiblioteca! 
http://goo.gl/JLmQoL";
6. Seguir o blog publicamente no Google Friend Connect (para isso, clique em Participar deste site, na coluna à direita);
7. Seguir @rdebiblioteca no Instagram (instagram.com/rdebiblioteca).

Lembrando que as "chances extras" são opcionais! Você tem o direito a preencher o formulário mais uma vez a cada item que cumprir.



Dúvidas? É só perguntar.

Você pode participar até o dia 11/10/2014, às 23h59. O sorteio será realizado via Random.org e o vencedor será notificado por e-mail (caso não responda em até 48h, outra pessoa será sorteada).

Boa sorte a todos!

---ATUALIZAÇÃO: RESULTADO



Muito obrigada a todos que participaram! E parabéns, André!

[8 on 8] - Rotina

Boa tarde! Como estão?

Hoje é dia de 8 on 8 e o tema dessa vez foi "Rotina".



(Rainha Elsa e Princesa Anna são o plano de fundo do computador que uso no trabalho. rs)

À medida em que as outras sete meninas foram postando, atualizarei o post com os links!

Thayná ♥ ♥ ♥

Ontem à noite terminei de ler "Dissolução", de C. Lemes, e gostei muito! Logo sai a resenha! ;)

Não se esqueçam de participar do sorteio da Graphic Novel de A Maldição do Titã, que termina hoje! Se possível, nos ajudem a melhorar o blog preenchendo a pesquisa de público.

Muito obrigada!

[Biografia] - Truman Capote

Escritor de luxo: Truman Capote


“O que faço quando me sinto triste? Leio”.
– Truman Capote  

(A arte de entrevistar – Barbara Walters, página 37)

Foto de Arnold Newman.
Jornalismo e literatura

Quatro membros de uma família são assassinados na zona rural de uma cidadezinha dos Estados Unidos. O pai, um estimado fazendeiro, teve a garganta cortada, amarrado junto à esposa e aos dois filhos adolescentes, que foram mortos com tiros de espingarda.

Essa é uma história real e foi transformada no livro “A sangue frio” (In cold blood) pelas mãos de Truman Capote. Com essa publicação, em 1966, o autor inaugurava um novo gênero jornalístico, o romance não-ficcional, marcando seu nome na história da profissão.

Seis anos de minuciosa pesquisa e intensas entrevistas, inclusive com os assassinos, foram necessários para garantir o sucesso da obra que, narrada em forma de romance, é envolvente e incrivelmente detalhada.

Havia para Capote a necessidade de elevar a reportagem à categoria de arte, estando aí sua iniciativa de unir jornalismo e literatura, dando força ao Novo Jornalismo. “Eu costumo pensar que arte é uma forma de religião e uma forma de chegar a Deus. Ocasional e muito raramente, em momentos inesperados, uma pessoa dedicada à arte pode se sentir em estado de graça”, afirmou em uma das entrevistas concedidas à jornalista Barbara Walters.

O artista

“Tenho absoluta confiança em mim mesmo como escritor. Talvez nem sempre como pessoa, mas considero-me um escritor avant-garde” (1981, revista Club)

Foto tirada por Richard Avedon, fotógrafo amigo do autor, em 1955.
No dia 30 de setembro de 1924 nascia, em Nova Orleans, Luisiana, Truman Streckfus Persons. A mãe era alcoólatra e o pai, viciado em sexo, possuía inúmeras amantes. Os dois viviam em um hotel e enviaram o pequeno filho para viver com tias no Alabama, onde ficou até os nove anos de idade.

O relacionamento insustentável terminou e, após a separação, Truman acabou ganhando um querido padrasto, Joseph García Capote, de quem se apropriou do sobrenome. O garoto, então, foi viver com o casal em Nova Iorque. O sentimento de abandono e as mágoas da infância, no entanto, nunca foram superados. Sentia-se "um órfão espiritual, como uma tartaruga virada de cabeça para baixo".

Joe Capote pretendia oferecer a Truman educação de qualidade, matriculando-o nas melhores escolas. Catherine Woods, professora de inglês, foi a primeira pessoa a reconhecer seu talento com as palavras, incentivando-o a escrever contos e poemas. Mas nem todos pensavam assim... Acusado por alguns professores de ser mentalmente atrasado, foi levado ao psiquiatra. O diagnóstico? "Naturalmente, fui classificado como um gênio".  Capote não terminou o ensino médio e nunca buscou qualquer outro meio de educação formal. Para ele, a pessoa nasce escritor ou não - e professor algum pode influenciar o resultado.

Aos 17 anos, conseguiu um emprego no The New Yorker e sua função era encontrar imagens e reunir recortes de jornais. Dois anos depois, começou a publicar pequenas histórias em revistas não muito conhecidas. Sua primeira publicação foi um conto intitulado “Miriam”. O primeiro livro, “Other voices, other rooms”, de 1948, apresenta traços autobiográficos e teve uma boa recepção do público. Nesse mesmo ano, Capote conheceu o escritor Jack Dunphy, com quem manteve uma relação que durou 35 anos.

Clique para ler a resenha.
Em 1958, “Bonequinha de luxo” (Breakfast at Tiffany’s) lhe deu ainda mais visibilidade e a adaptação cinematográfica, com Audrey Hepburn como Holly, tornou-se um clássico. O autor, no entanto, não gostou do filme. Queria sua amiga Marilyn Monroe no papel principal.

O sucesso seguinte foi o já mencionado brilhante livro “A sangue frio”. Fama, reconhecimento e dinheiro foram alcançados, Capote, que possuía um caso de amor com as câmeras, atingiu seus objetivos. Ele adorava aparecer, ter seu rosto estampado em capas de revistas e jornais. A vida, para ele, era uma grande festa – com muitos entorpecentes.

Capote foi confidente de membros da alta sociedade estadunidense e, por isso, conhecia inúmeros segredos deles. Decidiu publicá-los e, desde então, tornou-se cada vez mais sozinho. O “beautiful people”, como era chamado o grupo a que durante anos pertenceu, não gostou de ser exposto e o deixou de lado.

O excesso de bebidas e drogas culminou com sua morte, em Los Angeles, a um mês de seu 60º aniversário. Eternizado em sua obra, o excêntrico artista – como gostaria de ser lembrado – revive a cada vez que alguém tem contato com um de seus personagens, reais ou fictícios. Seu trabalho de vanguarda continua a inspirar escritores e jornalistas.

Capote, por Andy Warhol.


Vale a pena ler também:
Obituário de Truman Capote, publicado no The York Times.