[Book Haul] - Janeiro e Fevereiro de 2015


Vejam o que chegou em nossa caixa de correio! ;) Entre janeiro e fevereiro, essas foram as novidades:

1. Divergente - Veronica Ruth

Há muito tempo, um leitor do Ratas me enviou um e-mail sugerindo a leitura do livro Divergente. (Valeu pela dica, Gabriel!) Mesmo curiosa, não havia tido a oportunidade de conhecer a distopia. Em janeiro, meu namorado me presenteou com o livro e agora entendo porque todo mundo fala tanto sobre ele. haha Já quero ler a continuação! 

2. O sangue do Olimpo - Rick Riordan

O último livro da série "Os heróis do Olimpo", que é uma sequência da série "Percy Jackson e os olimpianos", demorou bastante para chegar, mas chegou! ♥ haha Depois de problemas com os Correios, finalmente Amanda está lendo "O sangue do Olimpo". O exemplar foi cortesia da Editora Intrínseca.

3. A mais pura verdade - Dan Gemeinhart (prévia)

A mais pura verdade” parece ser um livro bem legal. A Editora Novo Conceito me enviou uma versão pequena, com os primeiros capítulos da obra. Li rapidinho e fiquei curiosa para saber o destino do protagonista. Mark é um garoto de 12 anos que está doente e decide fazer uma última loucura. Apaixonado por montanhismo, graças a um livro que ganhou de seu avô, o menino foge de casa acompanhado de seu cachorrinho de estimação, Beau. As dores e a solidão não impedem que ele sonhe em escalar topo do Monte Rainier. Enquanto o pequeno se aventura no mundo, sua família está em casa desesperada. O desaparecimento preocupa também Jessie, sua melhor amiga. Mark registra momentos marcantes da viagem com uma câmera fotográfica antiga e, em seu caderno, escreve haicais sobre o que vivencia no caminho. Mal vejo a hora de ter o livro completo em mãos.

E vocês? O que compraram/ganharam neste início de ano?

Costumamos postar tudo o que chega em nosso instagram (@rdebiblioteca). Siga-nos!

[Entrevista] - Rebeca Prado



Olá, leitores!

A entrevistada do mês de fevereiro é a talentosa ilustradora e professora Rebeca Prado, de 24 anos. Ela é graduada em Artes Visuais pela UFMG, com habilitação em Cinema de Animação e é responsável pela página Inc., que tem mais de 34.600 curtidas no Facebook.  Suas tirinhas são muito divertidas! As ilustrações desse post são da Beca. ;) 

Vamos às perguntas? 

Quando você começou a produzir tirinhas? Sempre gostou de desenhar?
Hummm, acho que as primeiras tirinhas que eu produzi foi pra um blog antigo que eu tinha com meu namorado, chamado R2P2, onde nós dois produzíamos. Acho que em 2011. Depois o blog acabou e eu fiquei uns anos sem fazer nada. Voltei a produzir em 2014. Mas sempre gostei muito de desenhar, desde pequena!

Quantos e quais livros você já publicou? Onde podemos encontrá-los?
Olha, livro mesmo, só meu, eu ainda tô tentando pelo Catarse. Espero que dê certo! Mas eu já publiquei dois gibis independentes, o Baleia #1 e o Baleia #2, e já fiz algumas participações em publicações coletivas, como a Talismã, de 2009. Fora isso eu trabalhei mais como ilustradora mesmo. O Baleia #1 e #2 tem como comprar diretamente comigo, é só mandar uma mensagem lá na página! O Talismã eu achei uns 2 ou 3 exemplares perdidos na Leitura, mas acho que não tem mais.

E a Lif, quando “nasceu”? Você se acha parecida com ela? Fale um pouco sobre as características dessa viking fofa e mal humorada...
Lif, - Navio Dragão

A Lif veio em 2014. Eu sempre fui fascinada com mitologia nórdica e ficava rabiscando vikings. Daí percebi que eu a desenhava mais e mais, até decidir fazer umas tiras pra experimentar. Ela é tipo um alter ego mesmo. Peguei características minhas que eu não curtia muito e coloquei todas nela, de forma exagerada. Então nós duas somos mandonas, sem paciência, super honestas, mas ela é beeeem pior! Hahahahaha! Acho que expor isso nela faz com que eu lide melhor com meus defeitos.

Quando você criou a página Inc.? A internet é importante na divulgação do seu trabalho?
A página eu criei em 2013, pra vender umas coisinhas que eu fazia: caderninhos, pôsteres, adesivos. Só comecei a postar tirinhas lá ano passado! A internet é uma ferramenta fundamental pro meu trabalho. Sem essa exposição on-line eu sinceramente não sei como faria pra divulgar.

Quais são seus estilos literários preferidos?
Terror e detetive!

Qual o livro despertou seu gosto pela leitura e quando foi isso?
"Harry Potter", sem dúvidas. Comecei a ler com uns 9 pra 10 anos, e lembro que era exatamente a idade dos personagens do livro. Isso criou uma identificação maravilhosa! Depois dele não parei mais de ler.

Qual o livro com que mais se identifica e por quê?
"Os Homens que Não Amavam as Mulheres". Não sei exatamente, mas acho que foi o livro que mais me prendeu. A personagem principal era deslocada como eu e isso fazia com que eu me identificasse bastante, apesar de nossas histórias não serem nada parecidas.

Um livro que foi adaptado para o cinema e você gostou.
"O Nome da Rosa". Achei sensacional.

Um livro que foi adaptado para o cinema e você detestou.
Ai, acho que como adaptação “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” não me agradou muito. No filme a história parece mais superficial do que realmente é. Mas não é um filme ruim de tudo.

O que faz em seu tempo livre?
Desenho, acredita? Hahahaha! Mas também danço Flamenco e gosto de ler, assistir filmes e séries, passear com meu namorado e com meus amigos, jogar videogame e jogos de tabuleiro, fazer palavras cruzadas (sim, sou dessas). Sou bem pacata.

Qual o artista que mais admira?
Não tenho um só. Tenho várias referências que me acompanham, em algumas épocas elas mudam. Scott C., Steve Simpson, Vera Brosgol, William Joyce, Craig Thompson, Will Eisner e vários artistas do cinema de animação são algumas dessas referências.

De quais bandas, filmes e séries você gosta? 
* Bandas: The Black Keys, Rosie & Me, Weezer, Ok Go!, Clarice Falcão, Frank Sinatra, Bob Dylan, Daniela Andrade, Jet, Elvis Presley, Bruce Springsteen, Ray Charles, AC/DC… * Filmes: Peixe Grande, Festa no Céu, Paranorman, Frankenweenie, O Iluminado (e filmes de terror em geral), Sociedade dos Poetas Mortos, As Vantagens de ser Invisível, Quanto mais Quente Melhor... * Séries: Sherlock, C.S.I, Scandal, New Girl, Orange is the new black, House, Bates Motel.

Deixe uma citação, uma passagem de algum livro que seja especial para você.
Posso deixar um trecho de um poema do Arnaldo Antunes que eu gosto muito?
Esse aqui, o nome dele é “Inferno”:
“[...] pára
o mar, sem maremoto,
como uma foto, a vida
sem saída, aqui,
se apaga a lua, acaba
e continua.”
...

Encontre mais tirinhas e informações sobre o trabalho da artista nos links:

Twitter  Instagram ♥ Facebook ♥ Site ♥ Behance ♥ Navio Dragão

Socorro, que moça mais fofa! Primeira entrevistada que escolhe trecho de poesia como favorito. ♥ Fiquei muito feliz quando ela aceitou participar. No ano passado, durante o Circuito Literário da Praça da Liberdade, comprei uma ilustração (que hoje está na parede da minha sala) e foi quando a conheci. Desde então, passei a acompanhá-la nas redes sociais. Sempre me divirto com as tirinhas! haha

Espero que vocês tenham gostado da entrevista tanto quanto eu! ;)

Muito obrigada, Beca! Sucesso sempre! 

[Resenha] - Livro: Um amor de cinema

Um amor de cinema” (Love like the movies), 294 páginas, escrito por Victoria Van Tiem e editado pela Record, conta a história de Kensington, uma mulher de 29 anos apaixonada por comédias românticas. A protagonista trabalha em uma agência de comunicação e está noiva de Bradley, seu colega de trabalho.

Ela não tem uma boa relação com a família e sente muito ciúme de Ren, esposa de seu irmão. As coisas pioram quando Kenzi anuncia seu noivado no mesmo dia em que a cunhada revela estar esperando um bebê. Atenção dividida.

Bradley é inteligente, bonito, charmoso, amigo e, como bônus, adorado pela exigente família de Kensington. Tudo corria muito bem até que um novo cliente da agência aparece: Shane.

Shane é o ex-namorado de Kenzi. O rompimento acontecera há sete anos, quando ela soube, através da amiga Tonya, que ele a havia traído. Nunca mais se falaram, até o momento em que precisaram trabalhar juntos.

A ideia do cliente era abrir um restaurante onde casais pudessem comer enquanto vissem filmes. A agência teria que criar a identidade visual. Para inspirar a artista Kenzi, Shane sugeriu que eles refizessem juntos cenas de 10 filmes românticos famosos.

A agência passava por dificuldades financeiras e, tentando ignorar o passado, a diretora de criação se viu obrigada a aceitar a proposta. Como recuperar a crença no amor bobinho, das comédias românticas, que ela tinha quando era mais nova? Como voltar a acreditar que é possível sentir frio na barriga quando a pessoa amada se aproxima? E, em meio a isso tudo, como planejar um casamento dos sonhos?

Envolvida em crises, lágrimas, risadas e companhia de sua amiga Ellie, Kensington passa a pensar em si mesma e bagunça completamente o roteiro do filme de sua vida.
Opinião: Foi como deitar no sofá e assistir a um filme da Sessão da Tarde. Leitura leve, gostosa e, claro, previsível. Adoro comédias românticas e fiquei feliz porque muitos filmes da lista que Shane montou estão entre os meus preferidos. Hahahahaha A personagem principal é divertida – como a maioria das protagonistas de livros do estilo Chick Lit – e fica difícil não descansar a mente diante de uma história simples e envolvente.
Avaliação:

E vocês?

O que andam lendo?

[Resenha] – Livro: O livro das vidas

“Um obituário é quase sempre uma ode à vida – ainda que reitere a brevidade de tudo, ao tomar o ponto final da existência como ponto de partida do jornalismo.” (p. 289)

O livro das vidas – Obituários do New York Times”, organizado por Matinas Suzuki Jr e traduzido por Denise Bottmann, faz parte da coleção Jornalismo Literário da Companhia das Letras. Em 310 páginas, apresenta uma seleção de textos publicados no jornal sobre pessoas comuns que realizaram coisas incomuns.

Histórias como a de Jerry Siegel, criador do Super Homem, que ingenuamente vendeu todos os direitos sobre o personagem por 130 dólares. Ou de Jeffrey Schmalz, jornalista que descobriu ser portador do HIV e passou a escrever matérias sobre a Aids, com olhar de paciente.

Pouca gente sabe, mas a bióloga Barbara McClintock, que morreu em 1992, foi quem notou a existência do "crossing-over" (quebra de cromossomos que se recombinam, originando mudanças genéticas). O reúne textos de diversos jornalistas, como Robert McG. Thomas Jr e Eric Asimov.

Ao final, Matinas Suzuki Jr, organizador da obra, traça um pequeno panorama histórico da arte de escrever obituários. Na orelha no livro, a citação atribuída a Bill McDonald define bem o conteúdo da obra: "Os melhores obituários são aqueles que nos falam de pessoas sobre as quais nós nunca tínhamos ouvido falar antes e nos deixam chateados por não termos tido a chance de conhecê-las".

Opinião: Adoro ler perfis e ganhei este livro da minha ex-chefe, que felizmente se tornou uma amiga. Além de ser uma aula de jornalismo literário, o livro gera uma reflexão sobre o quanto pessoas anônimas podem ser importantes. Inspiração, talento e surpresa não faltam em "O livro das vidas". Leitura recomendada!
“Deus é meu pauteiro”
- Richard Pearson, obituarista do Washinton Post
Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

[Resenha] - Livro: Contos de Fadas

O quadrinho, em ponto cruz, foi bordado por mim. 
Branca de Neve não acordou com um beijo. Nem Bela Adormecida. O príncipe de Rapunzel fica cego. E Rapunzel cria seus filhos gêmeos sozinha durante um tempo. João sobe o pé de feijão várias vezes antes de triunfar sobre o gigante. Bela, de A Bela e a Fera, não é filha única. Cinderela cai na balada duas vezes antes de perder o sapatinho.

Essas "surpresas" são reveladas em Contos de Fadas - Edição Comentada e Ilustrada, um belíssimo livro editado pela Zahar, com organização de Maria Tatar. Em 452 páginas, a obra apresenta as versões originais dos clássicos que acompanham, há séculos, leitores e ouvintes do mundo todo.

Antes de cada conto, há um comentário de Maria Tatar - especialista em literatura infantil - situando o leitor no período histórico em que tal história surgiu. Os contos eram criados oralmente e, tempos mais tarde, escritos e adaptadas para o público infantil. Os irmãos Grimm, Perrault e Andersen são alguns dos autores que compõem a coletânea.

O livro é enriquecido com cerca de 240 pinturas e desenhos, muitos deles raros, que tornam a leitura dinâmica e interessante. Além disso, é repleto de apêndices e curiosidades, como finais alternativos das histórias. A capa dura, ilustrada de forma fantástica, contribui para a sensação de magia que o livro transmite - antes mesmo de ter início a leitura.


 Opinião: Impossível descrever o quanto gostei do livro. Além de lindo (e quando digo lindo, quero dizer lindo MESMO), é uma verdadeira aula de história. A moral trazida pela maior parte dos contos, hoje parece não fazer sentido. (Quem gostaria de voltar para a casa de um pai que lhe abandonou na floresta para ser comido por animais?) Mas, como disse Maria Tatar, mostram outros tempos. Os contos "Barba Azul" e "O pé de zimbro" me deixaram incomodada, achei os dois fortes demais para serem classificados como infantis. haha "A Bela e a Fera", "A Bela Adormecida", "Cinderela" e "Branca de Neve" sempre foram meus preferidos, talvez por influência da Disney. O livro me encheu de nostalgia...

Durante a infância, fase em que comecei a tomar gosto pela leitura, conheci uma vizinha aposentada, dona de uma rica biblioteca. Eram livros antigos, que suas filhas haviam lido quando pequenas, e estavam desatualizados na reforma ortográfica ("ele" era "êle", "este" era "êste"...). Tomei emprestado um exemplar que trazia os Contos de Fadas. Era o primeiro livro "grande" que pegava na vida. Antes, só havia lido esses clássicos muito resumidos. Assim como nessa edição da Zahar, a obra era composta pelas versões originais dos contos. Na época, fiquei muito chocada com algumas histórias, principalmente com a dA Pequena Sereia. Foram esses "choques" que me atiçaram a curiosidade e fizeram com que eu quisesse descobrir mais e mais personagens! Nesse primeiro desafio que me foi posto em mãos, cresceu meu amor pela literatura. Guardarei com carinho esse exemplar de Contos de Fadas da Zahar e, um dia, quero ser a vizinha que apresenta a origem dos contos de fadas a alguém. 

Contos que estão no livro:

Chapeuzinho Vermelho; Cinderela ou O sapatinho de vidro; João e Maria; A Bela e a Fera; Branca de Neve; A Bela Adormecida; Rapunzel; O rei sapo ou Henrique de Ferro; Rumpelstiltskin; João e o pé de feijão; Barba Azul; O pé de zimbro; Vasilisa, a Bela; A leste do sol e a oeste da lua; Molly Whuppie; A história dos três porquinhos; Pele de Asno; Catarina Quebra-Nozes; O Gato de Botas ou O Mestre Gato; A história dos três ursos; O Pequeno Polegar; A roupa nova do imperador; A pequena vendedora de fósforos; A princesa e a ervilha; O Patinho Feio e A Pequena Sereia.

 Leia um trecho clicando aqui. Saiba mais sobre o livro no site da Editora.

* cortesia da Zahar

Espero que tenham gostado! 

Alguém aí também é apaixonado por Contos de Fadas?

[Resenha] - Livro: Dias melhores pra sempre

"Toda história de amor não sobrevive sem uma boa amizade."

O livro "Dias melhores pra sempre", escrito por Maurício Gomyde, tem 230 páginas e conta a história de Bruno, um estudante de Medicina apaixonado por surfe. Em uma de suas viagens, enquanto surfava, foi atacado por um tubarão e perdeu uma perna.

Voltando para casa, após o acidente, surpreendeu-se ao encontrar, no aeroporto, uma colega de classe a sua espera. Junto aos familiares e amigos de Bruno, Micaela prestou sua solidariedade, surpreendendo o jovem. Nunca, ao longo de todo o curso, havia notado a presença dela.

Aquela "estranha" acabou, lentamente, fazendo parte do grupo de amigos de Bruno. Junto a Dante e Karina, formaram um quarteto unido e animado, auto apelidado de “Famiglia”. Os quatro futuros médicos estavam próximos da formatura e logo teriam que se separar.

Após o “fatídico dia”, muitas coisas mudaram na vida de Bruno. Entre elas, o término do namoro com Ana, sua linda namorada - o que foi um golpe de decepção em meio à delicada fase vivida por ele.

Sua nova condição exigia força para enfrentar desafios diários, num bonito processo de recuperação. Toda a adaptação (à prótese, ao surfe...) contou com a amizade e o carinho de Micaela. Aos poucos, tudo se ajeitaria.

A “Famiglia” subiu a serra, como costumava fazer, para passar o fim de semana em um chalé. Na descida, em meio a risadas, o destino resolveu brincar com Bruno mais uma vez. O que você faria se o amor da sua vida não te reconhecesse mais?
Opinião: Pegue a caixinha de lenços antes de começar a ler esse livro! Maurício Gomyde, como sempre, me fez chorar horrores diante de suas palavras. ♥ Gostei bastante de Dias Melhores Pra Sempre, mesmo achando que tem uma tristeza muito apelativa. De qualquer forma, foi impossível não me envolver. Bruno e Micaela me conquistaram, no entanto, meu carinho por Dante e Karina também foi grande. A capa é maravilhosa por si só, mas, quando conhecemos a história, faz ainda mais sentido. Meu exemplar (autografado!) recebi em mãos do autor, no dia em que o encontrei na Bienal do Livro de Minas Gerais, no fim do ano passado. Sou fã do Maurício e não sei qual de seus romances é meu preferido. Esse, com certeza, está entre os melhores.
♥ Avaliação: 

Abaixo está o booktrailer. Eu não costumo ver nenhum antes de ler. Assim como prefiro ler o livro antes de assistir ao filme, acho que atores desempenhando os papéis dos personagens "bloqueiam" minha imaginação. Mas, assistindo agora, depois da leitura concluída, vi que tem super a ver com a história. Fofinho demais!


Para saber mais sobre o autor, visite www.mauriciogomyde.com.