[Resenha] - Livro: Em Chamas

O livro Em Chamas é o segundo livro de uma trilogia, de forma que essa resenha contém revelações sobre o enredo de Jogos Vorazes (resenhei aqui).

Katniss e Peeta conseguiram um feito inédito: saíram ambos vivos da arena dos terríveis Jogos Vorazes. Mas, para que isso acontecesse, tiveram que tomar atitudes que não agradaram nem um pouco a Capital.

A forma como os dois tributos do Distrito 12 conseguiram sobreviver acabou incentivando a população pobre e descontente de Panem a rebelar-se. O Presidente Snow, é claro, precisa tomar providências a respeito disso: Katniss tem que convencer a todos que suas atitudes na arena foram causadas unicamente pelo seu intenso e incontrolável amor por Peeta.

Durante a Turnê da Vitória (em que os campeões visitam todos os Distritos), as coisas acabam não indo muito bem. Além da ameaça iminente de uma segunda revolução contra a Capital, Katniss fica ainda mais confusa sobre o que está acontecendo na sua vida. Será que seu amor por Peeta é totalmente fingimento? Será que ela e Gale são somente amigos? Além disso, as ameaças do Presidente são constantes: todos aqueles que Katniss ama podem estar em perigo.

Receoso de que os jovens vencedores tornem-se símbolos e incentivem um novo motim, Snow é capaz até mesmo de fazer algo que Katniss pensou estar livre para sempre: colocar os antigos campeões mais uma vez na arena.

Opinião: O livro é muito bom. Impossível de largar, assim como o primeiro. Mas confesso que deixa muito a desejar se comparado a Jogos Vorazes. A história de "Em Chamas" não é tão atraente, sendo que toda a emoção e aventura (presentes em todas as páginas do primeiro volume) são deixadas apenas para o final. Por outro lado, Em Chamas explora mais a parte romântica da história que, antes, resumia-se a beijos forçados entre Peeta e Katniss. Aqui começa o dilema da protagonista (e das leitoras também!) sobre quem escolher: o forte, amigo e companheiro de infância Gale ou o apaixonado e dedicado Peeta. Mesmo achando que Jogos Vorazes ofusca suas continuações, quem começa a ler a trilogia simplesmente não consegue parar no primeiro livro. Por isso, vale a pena ler /sorriso

Avaliação:

[Resenha] - Livro: O rosto que precede o sonho





O livro "O rosto que precede o sonho", de Maurício Gomyde, editora Porto 71, é o terceiro do autor e em 176 páginas conta a história de Tomas Ventura, um homem atormentado pelo passado que se culpa pela morte dos pais.

Julgando ter recebido alguns sinais na manhã do acidente de avião em que ocorrera a fatalidade, não se conformava por tê-los ignorado e impedido que o pior acontecesse. Seguiu sua vida aguardando novas "mensagens", sem fazer muitos planos e projetos futuros.

Prendendo-se ao agora e vivendo preso à sua maior paixão - a música - ele contava com a companhia de sua casa-veleiro batizada de Lonhed’s Refuge e com a amizade leal de Benjamin, dono do “Sebo no Café”.

E é neste tal sebo que o destino dele muda de rumo: conhece um dia, por acaso, Aurora. Brigam por conta de um disco que ambos queriam comprar e acabam tomando um café juntos para continuarem a discussão sobre música. A partir de então nasce um sentimento capaz de transformar a vida das personagens de maneira intensa.

Opinião: Maurício me fez chorar, mais uma vez. Este livro é, com certeza, o mais emocionante dele. Fico em dúvida sobre qual prefiro, porque os outros dois ("O mundo de vidro" e "Ainda não te disse nada") também me marcaram de alguma forma. Neste o autor faz inúmeras referências musicais  que deixaram a narrativa mais real. Ele consegue transmitir com uma sensibilidade incrível um pouco do que abriga a alma humana - que é cheia de falhas, incertezas e confusões. Linguagem simples. Confesso que achei a história um pouco previsível, mas isso não ofuscou o encanto da obra. Recomendo! Tenso foi apenas lidar com as risadas da Amanda ao me encontrar na sala com o notebook no colo envolvida em lágrimas quando cheguei ao fim da leitura.

[Na nossa caixa de correio] - #6

Olá pessoal!

O Ratas está começando 2013 com tudo: Domínio novo e theme novo! Agora somos .com /amei

O ano mais corrido da minha vida foi, sem dúvidas, 2012. Nunca estudei tanto e, com isso, saí muito pouco (deixando o blog um pouco de lado também). Mas valeu a pena: acabei guardando um bom dinheiro que agora resolvi gastar com a coisa mais legal do mundo: livros, é claro! /sorriso O Na nossa caixa de correio de hoje é mais do que especial!


Coleção Percy Jackson & Os Olimpianos (Rick Riordan)
1 - Os Arquivos do Semideus
2 - O Ladrão de Raios
3 - O Mar de Monstros
4 - A Maldição do Titã
5 - A Batalha do Labirinto
6 - O Último Olimpiano












































Box - As Crônicas de Gelo e Fogo - Edição Pocket Limitada (George R.R)
1 - A Guerra dos Tronos
2 - A Fúria dos Reis
3 - A Tormenta das Espadas
4 - O Festim dos Corvos
5 - A Dança dos Dragões























Box - Trilogia Jogos Vorazes (Suzanne Collins)
1 - Jogos Vorazes (resenhei aqui)
2 - Em Chamas
3 - A Esperança



























1 - Coleção Os Heróis do Olimpo, O Filho de Netuno (Rick Riordan)
2 - A Privataria Tucana (Amaury Ribeiro JR.)



1 - A Zona Morta, Stephen King

Coleção A Torre Negra, Stephen King
2 - O Pistoleiro
3 - A Escolha dos Três
4 - As Terras Devastadas
5 - Mago e Vidro
6 - Lobos de Calla
7 - Canção de Susannah
8 - A Torre Negra

E vocês, compraram algum livro nas férias? Já leram algum dos livros que eu comprei?

[Thaís Diz] - Tudo se encaixa, em caixas

Texto publicado originalmente no blog Oi, Tatu do Bem.



Mexendo no porão de casa encontrei duas caixas que pela aparência careciam de cuidado e organização. E não há período melhor do as férias para faxinar as coisas e dar um jeito na bagunça. Resolvi ver o que é que havia ali dentro.

Reencontrei meus tesouros: todos os diários que escrevi durante a vida! O mais antigo comecei com 5 anos e está cheio de desenhos, frases curtinhas, traços de caneta brilhante, tabelas, jogos de stop! E dei início com este a uma viagem pelo meu passado, pela minha história. Despindo-me da vergonha e do amor-próprio compartilho com vocês agora um pouco do que redescobri (basta clicar nas fotos para vê-las maior).

Entre espirros e risadas, vasculhei tudo. Reli as cartinhas e os bilhetinhos colados naquelas páginas. Ri da minha caligrafia e do meu modo de contar os fatos. Aos seis anos a confissão da admiração pela Xuxa, aos sete a raiva dos meninos que riam das bonecas das garotas durante o recreio e assim segui em narrações pessoais e, pelo menos para mim, engraçadas.

Desenhava pessoas que acabava de conhecer, chamando-as de "novas personagens da minha vida". Montava pequenos perfis delas e fiquei surpresa ao ver que muitas hoje em dia nem devem me cumprimentar quando me encontram na rua - o tempo é cheio dessas gracinhas, como afastar amigos e torná-los estranhos. Emocionei-me ao encontrar inúmeras menções a um amigo que faleceu recentemente (o "Marku", deste desenho que se segue) e o afastamento, nesse caso, não foi por vontade nossa.

 A pré-adolescência repleta de ídolos da música e do cinema, anotações de gastos com figurinhas na banca, recados da melhor amiga, adesivos, fotos das festas de aniversário, correios-elegantes das festas juninas, autógrafos da banda Ultraje a Rigor, relatos de paixões eternas que não duravam mais do que uma semana... tudo dando sentido ao "meu jeitão" de ser.

Lembranças se fizeram vivas nessa tarde, como se saltassem dos cadernos para retornarem a mim.  Por instantes eu deixei de ser a universitária que precisava de um texto para o blog e me tornei novamente a menina que sonhava em ser escritora, cantora, atriz e fada.
Foi divertido compreender o quanto as coisas passam rápido e as mudanças são claras. Tudo o que é escrito, eterniza-se. Jamais deixarei de dar valor ao poder que as palavras têm. Hoje, por exemplo, essas que despejei em papéis decorados sem ter qualquer intenção ou propósito me fizeram entender um pouco mais sobre mim (e perceber que nunca bati muito bem das ideias).

[Calendário] - Feliz Ano Novo!