[Resenha] - Livro: Brigitte Bardot


O livro "Brigitte Bardot", escrito por Marie-Dominique Lelièvre, com tradução de Clóvis Marques, tem 322 páginas e foi editado pela Record. É uma biografia, escrita em linguagem leve e envolvente, da atriz francesa conhecida por suas iniciais “BB”.

A obra aborda a vida da estrela da infância até os dias de hoje, em que vive reclusa cuidando de seus animais. Comparada com a irmã, pela mãe, sentia-se feia. Ainda cedo, começou a trabalhar como modelo, mas sua verdadeira paixão era a dança - que abandonou quando decidiu se dedicar ao cinema.

Símbolo sexual dos anos 50 e 60, Bardot tentou suicídio várias vezes. Ela escolheu seus companheiros como bem quis, nada lhe segurava ou intimidava. É apresentada no livro como um espírito livre.

No filme “E Deus criou a mulher”, de 1956, ela aparece nua, fato que chocou o público na época. Seu filho único, Nicolas, é tido por ela como um "castigo do céu" e jamais foi objeto de sua afeição.

A atriz completou 80 anos em setembro, e, desde 1973, está afastada da vida pública para se dedicar aos animais. Ressurge vez ou outra na mídia, com declarações polêmicas, e já foi processada por conta de declarações que incitam o ódio.

Opinião: Escolhi o livro pela capa. Acho que é impossível não olhar para Brigitte Bardot sem se sentir hipnotizado. Uma surpresa que tive, durante a leitura, foi descobrir que a atriz é quase cega desde pequena! O livro é muito interessante. Gostei da forma com que a autora conduziu a narrativa, sem deixar a biografia cansativa. Senti falta de fotos. Além da que está na capa, não há mais nenhuma. A longa vida de Brigitte Bardot é contada, em detalhes, demonstrando que Marie-Dominique realizou um bom trabalho de pesquisa, entrevistando amigos, familiares e ex-colegas de profissão da estrela. Ficou claro que a autora é fã da biografada, pois, mesmo quando apresentou fatos polêmicos, defendeu a atriz. Já eu, enquanto lia, amei e odiei BB.  Leitura recomendada!

Avaliação:

[Resenha] - Livro: Quem é Você, Alasca?

Quem é Você, Alasca?
John Green
Editora Intrínseca 

Miles Halter, cujo passatempo é decorar últimas palavras, decide seguir as de François Rabelais: "Vou em busca de um Grande Talvez". Miles procura seu Grande Talvez indo para um internato no Alabama, a Escola Culver Creek. Troca sua vida pacata, com pouquíssimos amigos (apenas duas pessoas aparecem em sua festa de despedida) por uma completamente diferente, cheia de novas experiências.

No internato Miles, conhece seu colega de quarto, Chip Martin, conhecido por todos como "Coronel" - e ganha seu próprio apelido, "Bujão". Além dele, Bujão conhece Alasca, Takumi e Lara, seus novos amigos. Alasca é linda, enigmática, aventureira... e comprometida. Obviamente, Bujão instantaneamente se encanta por ela. Juntos, os amigos passam seus dias na escola, estudando, fumando, bebendo e preparando pegadinhas.

No entanto, por ser um livro de John Green (), o livro não trata apenas da vida desregrada dos adolescentes. John aborda o psicológico de cada um deles, criando personagens reais e inesquecíveis. O livro é divido em "antes" e "depois", de forma que você sabe desde o início que algo importante irá acontecer.


A curiosidade para saber qual é esse marco divisório, além do ritmo de escrita delicioso de John, faz com que a leitura prenda o leitor e seja muito rápida. Quando o "algo" chega, não dá para parar de ler: você vai querer respostas!

Como todos os livros de John, Quem é Você, Alasca? pode te fazer rir e chorar. O certo é que
alguma lição você irá tirar dele. A história do livro é linda e profunda. Ah, e ou você irá se apaixonar perdidamente pela Alasca ou irá odiá-la (eu amei!).

Se tiver a oportunidade, não deixe de ler o livro! Aposto que você irá gostar tanto quanto eu ♥

Obs: Nas versões anteriores de Quem é Você, Alasca?  Miles era o "Gordo", não o "Bujão". Algumas pessoas, que já haviam lido as outras versões, ficaram bem incomodadas com a mudança. Como li pela primeira vez com o novo apelido, não fez diferença para mim. O importante é que a história continuou a mesma! :) E você, o que achou da mudança?

[Resenha] - Livro: Os últimos preparativos

Sinopse: É o fim de semana do casamento de Daphne. Winn Van Meter, seu pai, segue em direção à ilha de Waskeke, onde acontecerá o evento. No carro, leva o vestido da filha e questões que atormentam seus pensamentos. Agatha, amiga de Daphne, faz com que ele cogite pela primeira vez ser infiel, e Van Meter tem certeza de que sua não entrada no Pequod, o clube de golfe da ilha, é culpa de seu antigo - e suposto - rival Jack Fenn. Enquanto isso, Livia, a filha mais nova de Winn, acabou de sair de um relacionamento traumático, mas no fundo acredita que vai dar a volta por cima. Porém, na busca de algo que a ajude suportar a perda, pode encontrar problemas ainda maiores.

O livro "Os últimos preparativos", escrito por Maggie Shipstead, tem 336 páginas e foi editado pela Record. Ele conta a história de Winn Van Meter, um homem que dá muito valor ao que os outros pensam sobre ele. A opinião alheia vem, muitas vezes, antes da felicidade de suas próprias filhas.

Casado, Winn é pai de duas meninas. Daphne, a mais velha, está grávida e de casamento marcado. Os últimos preparativos do título dizem respeito a essa cerimônia, que agita os ânimos de toda a família. Lívia, a caçula, acabou de sair de um relacionamento e se sente culpada por não ter conseguido manter o namoro. Ao contar que estava grávida, seu ex decide abandoná-la. Ela faz um aborto e se afunda numa enorme tristeza.

Winn, além de ser uma pessoa insuportável, cogita ficar com Agatha, amiga de Daphne. O texto caminha entre presente e passado, mostrando também a juventude de Winn. Muitas vezes, a autora dedica capítulos às vidas de personagens secundários, apresentando ao leitor detalhes não tão interessantes ou necessários.

Opinião: Infelizmente, decepcionante. No início da leitura, pensei que seria bom. Estava envolvida, curiosa... No entanto, acabei abandonando este livro. Winn Van Meter é desprezível em vários aspectos e o que mais me frustou foi perceber que nenhum outro personagem parecia ser mais agradável que ele. A partir de certo ponto, a história "empaca". Talvez, algum dia, eu decida retomá-lo. Mas não será tão cedo.

Avaliação: 

* Cortesia da editora

[Resenha] - Livro: Diário de uma garota nada popular (Tudo sobre mim)

Boa noite!

A resenha de hoje é sobre mais um livro interativo. Assim como em "Destrua este diário", nele é permitido escrever! ;)

Diário de uma garota nada popular
Best-seller do New York Times e do USA Today;
Mais de 13 milhões de livros da série vendidos em todo o mundo;
Série publicada para mais de 35 países, em 32 idiomas diferentes.


O livro "Diário de uma garota nada popular - Tudo sobre mim" tem 266 páginas, foi editado pela Record e propõe que o leitor o preencha com informações sobre sua vida ao longo de dois anos. Os fãs da série, escrita por Rachel Renée Russel, têm a oportunidade de, agora, construírem seus próprios diários nada populares.
"Que celebridade seria uma ótima irmã mais velha?", "Se você pudesse ter qualquer animal de estimação qual seria e por quê?", "Se a cantina da sua escola fosse um restaurante quantas estrelas você daria e por quê?" são algumas das 365 questões levantadas na obra, que aparecem comentadas por Nikki.

O livro estimula a criatividade e aproxima o leitor dos personagens da série, dando-lhes voz como se pertencessem também à história. Além disso, incentiva uma reflexão sobre o quanto mudamos de opinião com o passar do tempo. De um ano para o outro, imagino que as respostas para as mesmas perguntas se tornem bem diferentes!

* Cortesia da editora

Acredito que essa seja uma boa opção de presente de Natal para o público pré-adolescente.
O que vocês pensam sobre livros interativos?