[Resenha] - Livro: Profissões para mulheres e outros artigos feministas

Profissões para mulheres e outros artigos feministas, Virgínia Woolf
Profissões para mulheres e outros artigos feministas, Virgínia Woolf
Se hoje nós, mulheres, enfrentamos preconceito e perseguições no mercado de trabalho, imagine no século passado? O livro "Profissões para mulheres e outros artigos feministas", publicado pela L&PM, traz um apanhado de textos de Virgínia Woolf (1882-1941) sobre ser mulher em um mundo dominado por homens.

A obra é formada por sete ensaios escritos pela conhecida romancista. Um deles, inclusive, foi apresentado pela autora como discurso em um evento feminino. O destaque é a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Infelizmente, as reflexões continuam pertinentes em 2017. Por que temos sempre atrás de nós o espírito do "anjo do lar" que nos impede de exercitar nossas capacidades ao máximo? Dizemos que somos livres, mas cobranças e crenças nos aprisionam.

Diante das resenhas literárias de Woolf presentes neste livro de bolso, senti vontade de colocar fogo em tudo o que já escrevi e chamei de resenha na vida. A inteligência e a habilidade da escritora para falar de livros me deixaram em êxtase. Ela criticava o machismo com ironia e pulso firme.

Depois de terminar esta leitura, fiquei curiosa para conhecer outros trabalhos de Virgínia. Estou lendo o romance "As Ondas", mas estou achando muito difícil. Se alguém já tiver lido um destes dois, ficarei feliz em discuti-los.

Beijo grande e até o próximo post!

[Resenha] - Livro: Angélica

Angélica, Lygia Bojunga
Angélica, Lygia Bojunga
Resumo

O livro "Angélica", escrito por Lygia Bojunga e publicado pela editora Agir, conta a história de uma cegonha que cansou de viver uma mentira. A obra possui 96 páginas e ilustrações de Vilma Pasqualini.

Ela descobriu, bem jovem, que as cegonhas não são responsáveis por trazer bebês ao mundo e isso a abalou profundamente.

Inconformada, quis saber dos pais por que é que eles mantinham essa ilusão. A família disse que não podia abrir mão do respeito e do status que essa história dava às cegonhas.

Ela decidiu morar no Brasil, pois soube que no país não havia cegonhas. Mas o mito dos bebês existe mesmo tão longe de casa! Ela fez amizade com um porco chamado Porto (que trocou o "c" de seu nome por um "t" para tentar fugir do que era naturalmente). Os dois montaram, juntos, uma peça de teatro com a história de Angélica.

Os atores contratados pela dupla são animais desempregados, como um elefante, um casal de crocodilos e um sapo com seus filhinhos. A narrativa é divertida e traz aspectos muito interessantes sobre autonomia, coragem, bullying e feminismo.

Ilustração do livro Angélica, de Lygia Bojunga. Crédito: Catedra Unesco de Leitura PUC-Rio

Opinião

Que livro mais lindinho! Fiquei impressionada com o quanto o feminismo está presente na obra, escrita em 1975. Parece que hoje os autores para crianças não têm essa mesma coragem. O empoderamento feminino está nas entrelinhas, com personagens femininas bem construídas e encantadoras. Para mim, o mais marcante foi a personagem secundária "mulher do crocodilo Jota".

Ela aparece nomeada assim em boa parte da história, como se fosse um acessório do crocodilo. A crescente transformação desta personagem - que chega ao ápice na última página do livro - me chamou atenção. (Não escrevi o nome dela aqui de propósito, ok? rs)

A amizade entre a cegonha Angélica e o porco Porto é demais. E até mesmo a família da protagonista é fofa e dá para perceber que eles se preocupam com ela, mesmo achando Angélica muito diferente dos demais. Peguei o livro na biblioteca por causa do título - é o nome da minha mãe - e foi uma grata surpresa. (Não muito surpreendente porque é Lygia Bojunga, né?)

Avaliação


Beijo e até o próximo post! ♥