[Tag] - Retrospectiva literária 2014

Boa tarde! Como estão aproveitando as férias? Já estamos no fim de janeiro, mas ainda há tempo para uma retrospectiva literária 2014. ;)

Consegui ler mais livros do que em 2013! Algumas leituras foram decepcionantes, mas, felizmente, gostei da maioria dos livros que me acompanharam. Espero que em 2015 eu consiga ler muito mais!

Vamos à nossa retrospectiva! Dessa vez, a Amandinha também participou.
Casal mais apaixonante
Amanda: Alec e Magnus, da série Instrumentos Mortais.
Thaís: Fani e Léo, da série Fazendo meu filme, principalmente no último livro, Fani em busca do
final feliz. Torci o tempo todo e me emocionei com esses dois personagens fofos de Paula Pimenta.

♥ Virei a noite lendo
Amanda: Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. (resenha)
Thaís: O Clube dos Herdeiros, de Fabiana Madruga, foi uma das surpresas do ano. Fiquei totalmente envolvida com a história. (resenha)

♥ Chorei de soluçar
Amanda:Perdão, Leonard Peacock, de Matthew Quick
Thaís: Dias melhores para sempre, Maurício Gomyde.

♥ Livro irrelevante do ano
Amanda: Til, de José de Alencar
Thaís: Cem escovadas antes de ir para a cama, de Melissa Panarello.


♥ Grifei
Amanda: "Se tem uma coisa que aprendi, é isso: todos nós queremos que tudo fique bem. Nem mesmo desejamos que as coisas sejam fantásticas, maravilhosas ou extraordinárias. Satisfeitos, aceitamos o bem, porque, na maior parte do tempo, bem é o suficiente." Todo Dia, David Levithan, página 11.
Thaís: Peter Pan, de J.M. Barrie, tem vários trechos legais. Coloquei alguns na resenha. ;)

♥ Soco no estômago
Amanda:Quem é você, Alasca?, de John Green e Todo Dia, de David Levithan. (resenha)
Thaís: Dissolução, de C. Lemes. Socorro! Fiquei lendo e comentando com meus amigos, doida para que eles soubessem do que eu estava falando! O livro mistura muitos sentimentos! Ao mesmo tempo em que emociona e é suave, mostra-se forte e dá um "soco no estômago" do leitor, em cenas de sexo e violência. Personagens ricos e bem construídos. Uma das melhores leituras do ano. (resenha)

♥ Morri de rir
Amanda: O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams.
Thaís: Tamanho 44 também não é gorda, de Meg Cabot.

♥ Infanto-juvenil
Amanda: Poliana, Eleanor H. Porter. (resenha)
Thaís: Série Percy Jackson, de Rick Riordan.

♥ Biografia
Amanda: Uma relação perigosa, de Carole Seymour-jones. (resenha)
Thaís: Brigitte Bardot, de Marie-Dominique Lelièvre. (resenha)



Bate bola de personagens

Melhor personagem masculino
Amanda: Fabiano, do livro Vidas Secas, Graciliano Ramos.
Thaís: Peter Pan.

Melhor personagem feminina
Amanda: Alasca, do livro Quem é Você, Alasca?
Thaís: Barbara Walters. Li a autobiografia da jornalista (A arte de entrevistar) e fiquei encantada com sua trajetória profissional.

Personagem mais chato:
Amanda: Berta ("Til"), do livro Til.
Thaís:  Winn Van Meter, do livro Os últimos preparativos.

Personagem mais perturbador
Amanda: A, do livro Todo Dia.
Thaís: Charlie, Patrick... Aliás, todos de Dissolução!!! (resenha)

Personagem com que mais me identifiquei
Amanda: -
Thaís: Sou muito parecida com Grover Underwood, da série Percy Jackson. Principalmente o gosto musical.

E para vocês? Quais foram as melhores e as piores leituras do ano que passou?
O que pretendem ler em 2015?

Beijo

[Entrevista] - Carina Cardoso



Carina Cardoso





A primeira entrevista de 2015 é com a designer e tatuadora Carina Cardoso. Ela tem 22 anos, mora em Belo Horizonte e é formada em Design Gráfico pela UEMG. Para obter tal título, seu trabalho de conclusão de curso foi, nada mais, nada menos, do que uma releitura gráfica da obra "Animais Fantásticos e Onde Habitam".

Para quem não sabe, o livro, escrito por J.K Rowling, sob o pseudônimo Newt Scamander, compõe a bibliografia dos estudantes da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, da famosa série Harry Potter. Carina propôs um novo projeto editorial, com ilustrações elaboradas no estilo científico e pontilhismo, para o livro de J.K. O resultado ficou incrível e você confere abaixo, nas fotos tiradas por Gabriel Reis.

Vamos às perguntas!

1. Quando surgiu a ideia de produzir essa edição de luxo de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”? 

A ideia em si demorou um pouco pra se concretizar. Desde o início da faculdade (de Design Gráfico na UEMG) eu queria fazer um projeto com foco em ilustração. Quando chegou o momento do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), eu procurei temas que pudessem explorar esse lado mais artístico e que se enquadrassem nas exigências da graduação. Pensei em várias opções até que uma amiga minha, tão fã de Harry Potter quanto eu, me sugeriu reilustrar a obra: “Animais Fantásticos e Onde Habitam”. Sempre critiquei a edição original pela qualidade das ilustrações e a diagramação. Um livro tão rico em detalhes narrativos não poderia deixar a desejar nas ilustrações e no projeto gráfico. Como fã e ilustradora, tive a oportunidade de dar à obra um toque especial. Assim, surgiu a ideia de criar não só uma edição ilustrada, mas uma edição de luxo.

2. Qual seu personagem favorito de Harry Potter? E o Animal Fantástico?
Acho que meu personagem preferido é o Rony Weasley, não sei dizer ao certo, é difícil escolher! Meu animal favorito é o “Tolete” (ou Horklump em inglês), um dos primeiros e mais trabalhosos desenhos do meu projeto. Durante o processo de criação das ilustrações, fiz estudos de personalidade e aparência dos personagens e, para isso, criei mini histórias a respeito deles na minha cabeça. Acho que acabei me apegando a algumas delas, como a do Tolete – criei todo um esquema de como é o seu desenvolvimento, desde um “bebê tolete” até a sua forma “adulta”.
3. Qual o livro despertou seu gosto pela leitura e quando foi isso?
Admito que demorei um pouco pra começar a ter gosto pela leitura. Quando criança, tinha preguiça de ler livros muito grandes e/ou sem ilustrações. A primeira lembrança de leitura viciante foi com Harry Potter...e tudo começou com uma aposta! Apostei com um colega de classe que conseguiria ler todos os 3 livros da série (os únicos lançados na época) nas férias escolares. Acabei cumprindo a aposta e descobrindo meu gosto por leitura. Foi ótimo poder ter um novo contato com as obras no meu Trabalho de Conclusão de Curso.

4. Qual o livro com que mais se identifica e por quê?
Apesar de me identificar muito com obras de fantasia como "Harry Potter" e "Crônicas de Gelo e Fogo", o livro que mais me marcou e que eu mais me identifiquei até hoje foi “A menina que brincava com fogo” da Trilogia Millennium, de Stieg Larsson. Me apaixonei perdidamente pela personalidade da personagem Lisbeth Salander e suas façanhas. Quando terminei de ler o livro, fui correndo na livraria comprar o volume seguinte e ver o fim da história.

5. Um livro que foi adaptado para o cinema e você gostou.
Gostei da adaptação de “A menina que roubava livros”. Claro que o filme não tem todos os detalhes do livro, mas achei a escolha dos atores, a fotografia e a abordagem do longa muito bem executados.

6. Um livro que foi adaptado para o cinema e você detestou.
Detestei o filme "Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2". Acho que criei muitas expectativas e não curti o último filme da série. Na minha cabeça, a grande batalha Harry x Lord Voldemort foi muito mais épica!

7. Qual seu estilo literário preferido?
Gênero de Ficção e Fantasia, com certeza.

8. Qual o autor que mais admira?
Tenho grande admiração pela J. K. Rowling. Afinal, foi a escrita dela que me despertou o amor pelos livros.

9. Bandas, filmes e séries:
Sou fã de AC/DC e Michael Jackson, mas tenho um gosto muito eclético para músicas... adoro MPB e música Pop, dessas que tocam na rádio mesmo. Posso dizer que sou cinéfila, assim é muito difícil escolher um filme preferido... Adoro quadrinhos, então os filmes que acredito ter assistido mais vezes são adaptações como "Batman: o cavaleiro das Trevas" (já até escrevi um artigo científico sobre os filmes do Batman!) e "V de vingança". Minha série favorita é, sem dúvidas, Dexter. Pena que a série terminou de maneira tão decepcionante... pelo menos pra mim. rsrs

10. Deixe uma citação, uma passagem de algum livro que seja especial para você.
“Afinal, aquilo que amamos sempre será parte de nós.”
Harry Potter


Espero que tenham gostado de conhecer um pouco do trabalho (lindo!) da Carina. Você pode saber mais sobre ela nas páginas CRC Design e Dot Tattoo.

Obrigada, Enise Silva, pela dica de entrevistada! ;)

Até mais!

[Resenha] - Livro: Ninguém escreve ao coronel

O livro "Ninguém escreve ao coronel", de Gabriel García Márquez, traduzido por Danúbio Rodrigues e editado pela Record, tem 96 páginas e conta a história de um casal que perdeu o filho único, Augustín, herdando dele um galo.

Coronel e sua esposa vivem em situação de extrema pobreza, muitas vezes sem ter o que comer. Além disso, a mulher sofre de uma grave doença respiratória, o que torna a situação dos dois ainda mais difícil.

Às sexta-feiras o correio chega, trazendo novidades aos cidadãos da cidade. Todos recebem cartas, menos o coronel. Ele está à espera de uma pensão do governo, que o tiraria da humilhante situação em que se encontra. Cogita vender peças de sua casa, como um velho relógio, mas o orgulho não deixa. E se eles vendessem o galo?

O livro traz este conto curto, angustiante e sofrido, deixando o leitor envolvido e à espera de um final justo. O autor colombiano imprime no texto críticas à burocracia e à política de seu país. Leitura rápida e que gera inúmeras reflexões sobre esperança e aparências.

Outras capas:

Avaliação: 

[Resenha] - Livro: Poliana

"Poliana", escrito por Eleanor H. Porter, conta a história da pequena menina que dá nome ao livro. Poliana perde a mãe e os irmãos. Algum tempo depois, seu pai morre. Órfã, Poliana vai morar com sua tia Paulina, uma senhora que pensa muito em "cumprir seu dever" e pouco em se divertir e dar carinho à sobrinha.

A pequena Poliana, no entanto, havia aprendido com seu pai uma maneira de driblar todas as adversidades: o Jogo do Contente. Qualquer que fosse a ocasião, os dois deveriam achar algo de positivo. Após a morte do criador do jogo, Poliana passa a jogar sozinha - por pouco tempo.

Ao mudar-se para a cidade da tia, Beldingsville, Poliana passa a visitar diversos moradores em seu tempo livre (quando não estava realizando as lições impostas pela tia). Dessa forma, em pouco tempo, a menina alegre havia ensinado a todos como jogar.

Ao ver seu quartinho simples, sem quadros, Poliana agradecia pela vista da janela. A falta de espelhos era motivo de alegria, pois assim a menina não via sua sardas. Nada podia abalar o otimismo de Poliana.

O livro é pequeno, de leitura rápida e agradável. Os ensinamentos de Poliana não ficam somente em Beldingsville: eles nos contagiam. Impossível não encarar a vida com mais leveza e mais esperança após conhecer essa menininha tão especial! Leitura que deveria ser obrigatória

Avaliação: