[Resenha] - Livro: Bruno Zumbi

O livro "Bruno Zumbi", escrito por Ângela Marques e publicado pela Editora Lê, tem 56 páginas. A história, narrada em forma de diário, tem como protagonista um adolescente negro. Ele escreve sobre suas angustias, alegrias e dúvidas.

O Zumbi do apelido dado a Bruno vem de Zumbi dos Palmares, figura admirada por ele. O racismo velado (e outras vezes nem tanto) no cotidiano do garoto é descrito de uma forma intensa em primeira pessoa.

Uma decepção amorosa, o bullying sofrido na escola, a amizade com o "mano", o carinho da família... Os relatos do rapaz são sensíveis e reais.

Avaliação: 
Opinião: Ângela, a autora, fez parte da banca que avaliou o Trabalho de Conclusão de Curso que fiz com minha amiga Enise Silva. Ela é muito querida por nós e foi uma professora marcante durante nossa faculdade de jornalismo. No dia da defesa do TCC, ela nos deu este exemplar de "Bruno Zumbi" com uma dedicatória fofinha. Eu tenho dificuldade em imaginar os personagens quando conheço pessoalmente os escritores, mas consegui enxergar o Bruno direitinho. Li o livro super rápido, no ônibus, e fiquei querendo saber o que aconteceu com o protagonista depois do ponto final.
Espero que tenham gostado! :) Peço desculpas por ter ficado tanto tempo sem postar.

Até mais!

[Resenha] - Livro: Casa Velha, Machado de Assis

O livro "Casa Velha", escrito por Machado de Assis e publicado pela editora Garnier, tem 184 páginas.

A obra traz uma história que circulou na revista carioca "A Estação", de janeiro de 1885 a fevereiro de 1886. Porém, diferentemente de outras obras criadas no mesmo formato, Machado optou por não lançá-la como livro em vida.

A reunião desses fragmentos foi realizada em 1943 por Lúcia Miguel-Pereira. A novela "Casa Velha" trata de temas característicos do escritor, como a ascensão social por meio do casamento, a sociedade de aparências e o ciúme.

A edição possui uma introdução escrita por John Gledson com o título "Casa Velha: Um subsídio para melhor compreender Machado de Assis" e também um prefácio assinado por Lúcia. Depois do texto da novela, há ainda um pequeno conto chamado "Uma por outra".

Casa Velha

Um padre é narrador da história. Ele começa a frequentar a Casa Velha para recolher material para um livro sobre o reinado de Dom Pedro I. Naquele lugar, vive a família de um político já falecido e livros e jornais deixados por este são o material de consulta para o trabalho.

Porém, os acontecimentos da casa é que passam a interessar o religioso. A viúva, Dona Antônia, tem um filho já moço chamado Félix. Ela havia também ajudado a educar uma agregada da casa, Lalau. E os dois jovens se apaixonam.

Dona Antônia, apesar de amar a menina, não quer que o filho se case com alguém de condição social inferior. Surge, então, a desconfiança de que o relacionamento é incestuoso. O padre, que ali estava só para observar, acaba se envolvendo na confusão.

Uma por outra

O conto fala de um estudante que escreve poesias e que vive se apaixonando. Ao longo da história, ele se encantou por três mulheres (e viu, uma a uma, subindo ao altar com outros homens). 

"Assim vai a vida humana: um nada basta para complicar tudo".

Opinião: Aprendi com "O Mágico de Oz" ([Resenha] - Livro: O Mágico de Oz) a nunca mais ler as análises antes da história. Então, comecei pelos textos de Machado e só depois voltei ao prefácio e ao comentário de John.

Gostei tanto da história de "Casa Velha", quanto de "Uma por outra". Não foi "Nossa, esse livro mudou a minha vida", porém ler Machado de Assis é sempre gostoso. Ele construía narradores e personagens muito interessantes.

Este não é um dos trabalhos mais conhecidos do autor, mas é envolvente. Os textos de "explicação" da obra falam várias vezes que a qualidade desta história é muito inferior aos outros livros dele. (E até por isso ele não quis reeditá-la, né?) Mas o pior de Machado de Assis ainda é melhor que muita coisa.

Avaliação:

[Resenha] - Livro: Magimakía - A busca por Merlin

O livro "Magimakía – A busca por Merlin", escrito por Rafael Lovato e publicado em Portugal pela Chiado, tem 250 páginas e fala sobre uma importante batalha no mundo mágico.

O protagonista tem 15 anos e se chama Oliver. Ele vive com a mãe e o padrasto. A única coisa que sabe sobre o pai é que está morto. Fã de Harry Potter, o garoto é ingênuo, fraco e sofre bullying na escola.

Na véspera de uma temida prova de matemática, Oliver é sequestrado por uma dupla estranha: um goblin e um troll. Em boa parte do livro, ele está apertado para fazer xixi, enquanto criaturas fantásticas (como demônios e anjos) são apresentadas ao leitor.

Oliver descobre que é descendente do famoso mago Merlin e o único capaz de libertá-lo de um mausoléu onde dorme há mais de 500 anos. Para salvar magos e bruxas (e voltar para casa em paz), o adolescente precisa embarcar nessa aventura. Felizmente, ele tem a companhia do mago Ben e das bruxinhas Avery e Violet.
 - 


Opinião: Sempre bom trazer autores nacionais para o blog! ♥ O livro segue o arquétipo do herói e envolve magia: a combinação que eu gosto! rs Oliver gostar de Harry Potter é bem interessante. Ora a história é narrada por goblins, ora é narrada na perspectiva de Oliver. Em alguns momentos, a voz de Rafael Lovato também aparece, como "tradutor" da história mágica para a nossa língua. No início, essa mudança de narradores me deixou confusa, mas depois acabei gostando. Acho que as bruxinhas poderiam ter mais espaço na história, espero que isso aconteça nos próximos livros! 

O que não gostei foi o excesso de gírias. Isso me incomodou bastante e travou um pouco a leitura. É claro que um livro escrito para jovens tem que conversar com esse público, mas acredito que houve um exagero. Como o livro foi publicado em Portugal, pode ser que lá eles usem esses termos... Mas, aqui no Brasil, os adolescentes que eu conheço atualmente têm outras gírias (tanto pessoalmente, quanto na internet, não os vejo falando "irado", por exemplo). E aí está o problema dessas palavras, elas ficam "obsoletas" muito rápido.

A história é bacana e o final é de tirar o fôlego. Achei uma pena eu ter tido essa birra com os "caraca vei" de Oliver.

Avaliação:
Rafael Lovato é parceiro do blog Ratas de Biblioteca e tem livros publicados no Brasil, em Portugal e nos Estados Unidos. Entre os títulos lançados estão "Anverso e reverso de um crime", "Clarke", "A lenda de Jael", "O peregrino Joshua Vol. 1 e 2" e "Magimakía – A busca por Merlin". 
Saiba mais em:

* cortesia da editora

[Lista] - 20 tatuagens para quem ama os livros

Bom dia, leitores!

Eu morro de vontade de fazer uma tatuagem literária e, por isso, busco imagens para me inspirar. Abaixo, estão 20 tatuagens para quem ama os livros. Elas foram feitas por tatuadores de várias partes do mundo.

Desenhos inspirados em "Harry Potter", "Alice no País das Maravilhas", "Onde Vivem os Monstros"... Existem ainda as tatuagens que trazem o livro (objeto) como destaque. Difícil escolher qual é a mais bonita!

Confesso que perco a noção do tempo vendo fotos de apaixonados por literatura que têm esse amor marcado na pele. ♥ 

Inspire-se também:


Créditos, na ordem em que aparecem:
@alextattosnc ♥ @black.fishhh  @austinwest_art ♥ @bobarrin
@blacktattoo_art  @emmmabooks ♥ @crimsonarrowtattoo ♥ @davideferlisi
@felipemwillrich ♥ @h.suantsai ♥ @ivygabrielli  @nathanabney
@janatuzova ♥ @retributionmara  @thisisalexheart ♥ @thepapercat
@thepapercat  @williamlloydtattoo ♥ @nomsies_world ♥ @jeisonpeixoto
As imagens foram retiradas de perfis no Instagram abertos e estão todas creditadas. Se você for a pessoa tatuada ou o autor da foto, e não quiser aparecer aqui, é só comentar aí embaixo que eu resolvo :)

Você tem alguma tatuagem literária? Me mostra!

[Pesquisa] - Retratos da Leitura no Brasil 4ª Edição




O Instituto Pró-Livro (IPL) divulgou os dados da 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Ibope. Mais de 5 mil entrevistas domiciliares foram feitas em 2015, com brasileiros de 5 anos ou mais, alfabetizados ou não.

Para o IPL, é considerado leitor quem "leu, inteiro ou em partes, pelo menos 1 livro nos últimos 3 meses". A notícia boa é que o número de leitores cresceu de 2011 para 2015, passando de 50% para 56%. E, destes, 25%, lê por gosto.

A escolha dos livros se dá principalmente pelo tema ou assunto (30%). As resenhas influenciam 5% dos entrevistados. Já para as crianças, o que manda mesmo é a capa.

A Bíblia é o livro mais lido tanto por quem está estudando, quanto por quem não está. Em seguida aparecem livros religiosos, contos e romances. Apesar de o local em que as pessoas mais leem ser a casa, o Instituto chama a atenção para a leitura em meios de transporte, como ônibus, trem, metrô ou avião.

Leitores e não leitores disseram que o motivo para não ler (ou ter lido pouco) é a falta de tempo. A maior parte dos leitores lê livros comprados em lojas físicas ou pela internet (43%). O empréstimo em bibliotecas aparece somente em quarto lugar, com 18%.

A média de livros lidos pelo brasileiro, por ano, é de 4,96 livros. Em 2011, esse número era menor (4).

 Entre os leitores, as mães e responsáveis do sexo feminino aparecem como as maiores influenciadoras pelo gosto pela leitura. 

Na lista de autores mais citados, o nome de Kéfera aparece com a mesma porcentagem de Machado de Assis, Maurício de Souza, Ellen G. White, Padre Fábio de Melo e Bispo Edir Macedo. Abaixo estão os livros mais citados na pesquisa:


Para ver a pesquisa completa, clique aqui.

O que acharam dos dados? Felizes por estarem entre a maioria leitora? Quantos livros vocês já leram em 2016?