[Resenha] - Filme: Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Virtual

Normalmente, filmes nos apresentam músicas. Você assiste ao filme e a trilha sonora te encanta de alguma maneira. Comigo, com Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Virtual, aconteceu o contrário. Achei na internet, aleatoriamente, a música True Love Will Find You In The End, de Daniel Johnston. Nos comentários do site de letras, estavam várias pessoas falando sobre como tinham ido parar ali por causa de "Medianeras". Por ter gostado tanto da música, resolvi assistir - e estou encantada até hoje.

O filme foi lançado em 2011, com direção de Gustavo Taretto. A história começa com uma análise de Buenos Aires. Os prédios, o crescimento desordenado, os fios, a vista tampada, a hierarquia dos apartamentos, a falta de espaço, de luz, de contato. A tecnologia que aproxima e que afasta. Tantas pessoas tão próximas e, ao mesmo tempo, tão ridiculamente distantes umas das outras.

Então, o primeiro narrador se apresenta: Martin. Ele nos conta sua história naquela cidade, sua relação com ela, suas dificuldades, temores, gostos. Cada detalhe é explorado, e é como se fôssemos amigos de infância daquele personagem. Conhecemos sua casa, sua cachorrinha, seu trabalho, sua rotina. Depois, somos apresentados a Mariana, a segunda narradora. Ela também nos expõe cada aspecto de sua realidade - o fim de um relacionamento longo, a fobia de elevadores, o pequeno apartamento.

A imagem se forma como um quebra-cabeça: Martin e Mariana. Duas pessoas solitárias que, juntas, provavelmente dariam muito certo. Ambos vivem em Buenos Aires e seus caminhos se cruzam diversas vezes, sem que, contudo, eles se conheçam.

O filme é delicado, sutil e muito intenso. Ele explora a alma humana, as particularidades de cada um, os medos, os sonhos, as vontades. E, além disso, ele faz uma análise excelente da "Era do Amor Virtual", das grandes cidades, dos relacionamentos e da solidão.


Medianeras entrou de forma definitiva para minha lista de filmes favoritos. É um filme que vale a pena ser visto! /amei


[Resenha] - Livro: Outros jeitos de usar a boca

Outros jeitos de usar a boca, Rupi Kaur
Outros jeitos de usar a boca, Rupi Kaur
O livro "Outros jeitos de usar a boca", de Rupi Kaur, foi publicado no Brasil pela editora Planeta. O título original da obra, escrita em inglês, é "Honey and milk". Em 208 páginas, o leitor é convidado a sentir na pele as experiências da autora.

Divididos em "A dor", "O Amor", "A Ruptura" e "A Cura", os poemas da jovem são intensos, escritos de forma direta e cheios de emoção. Por todo o mundo, jovens se reaproximaram da poesia graças a esse livro. Os temas presentes nele são universais.

É difícil uma mulher não se identificar com pelo menos um dos textos que compõem a obra. Se em alguns momentos o livro é um abraço reconfortante, em outros ele é um soco no estômago.
 Outros jeitos de usar a boca, Rupi Kaur
Capas do livro Outros jeito de usar a boca pelo mundo. (Foto: Rupi Kaur)

Há muita dor, muito conhecimento de si mesma e muita maturidade no que Rupi colocou neste livro. As ilustrações minimalistas são um charme à parte, reforçando a sensibilidade da escritora.

Ser mulher é uma experiência de beleza, luta e complexidade. Ver que uma de nós está vendendo milhões de cópias que falam sobre o universo feminino com certa brutalidade é um sopro de esperança. As coisas estão começando a mudar.
(Foto: @rdebiblioteca)
Rupi Kaur anunciou que vai lançar, no dia 3 de outubro, seu segundo livro ("The sun and her flowers"). Já estou ansiosa!

quero pedir desculpa a todas as mulheres
que descrevi como bonitas
antes de dizer inteligentes ou corajosas
fico triste por ter falado como se
alto tão simples como aquilo que nasceu com você
fosse seu maior orgulho quando seu
espírito já despedaçou montanhas
de agora em diante vou dizer coisas como
você é forte ou você é incrível
não porque eu não te ache bonita
mas porque você é muito mais do que isso

Avaliação:

[Resenha] - Livro: Papai!

Papai!, Philippe Corentin
Papai!, Philippe Corentin
Papai!”, grita o garotinho já na capa do livro escrito e ilustrado pelo francês Philippe Corentin. Em 32 páginas, editadas pela Cosac Naify, o leitor é convidado a entrar em uma bem humorada história sobre os pesadelos. A cor preta da capa e da contra capa situam o enredo na noite, antes mesmo de isso ser explicitado pelo texto (verbal e imagético).

Dormir sozinho pode ser difícil para muitas crianças. É comum que tenham medo e chamem pelos pais durante a noite. O livro “Papai!” começa com um garoto dormindo tranquilamente até ser acordado por algo estranho. Quando percebe que está acompanhado de um monstro verde na cama, fica assustado.

Papai!, Philippe CorentinOs dois personagens gritam “Papai!” ao mesmo tempo. A narrativa surpreende ao mostrar, na página seguinte, o pai do monstrinho e não o do garoto. Desse modo, a ilustração se mostra essencial na composição da obra, carregando sentidos que não poderiam ser apreendidos apenas pelo texto verbal.

Quando o pai monstro chega ao quarto, o monstrinho diz: “Pai! Pai! Tem um monstro na minha cama!”, apontando para o garoto deitado sob as cobertas. O pai diz ter sido apenas um pesadelo e leva o monstrinho para a sala, onde está a mãe dele. Depois de ser acalmado por ela, o pequeno volta para a cama.

Então, humano e monstro acordam assustados novamente e, dessa vez, é o pai do garoto quem vai ver o que há de errado. “Pai! Pai! Tem um monstro na minha cama!”, diz agora o garotinho.

Essa brincadeira com o diferente é o que torna a obra especial. Ao mesmo tempo em que se aproxima de um problema da infância (dormir longe dos pais), traz elementos ficcionais que mexem com o imaginário do leitor. Essa dualidade é apresentada por Bernardo (2005) como indício de uma boa ficção que, segundo ele, não pode ter tudo a ver com a realidade, nem tudo a ver com o leitor.

O final encanta ao reforçar que não é preciso temer o desconhecido.
Dados do livro
Corentin, Philippe [1936-]
Papai!: Philippe Corentin
Título original: Papa!
Tradução: Cássia Silveira
Ilustrações do autor
São Paulo: Cosac Naify, 2008, 2ª edição
32 pp. ilustradas
ISBN 978-85-405-0752-4
Monstrinho sendo acalmado pela mãe. Ilustração da página 13 do livro Papai!, de Philippe Corentin

[Convite] - Lançamento: Livro Rastros de Mentiras e Segredos

Boa noite, ratinhos!

Gostaria de convidá-los para o lançamento do livro "Rastros de Mentiras e Segredos", escrito por Cleudene Aragão, Inês Cardoso, Maria Thereza Leite, Ruth de Paula e Vânia Vasconcelos. A coletânea de contos é a segunda obra assinada pelas cinco autoras, também responsáveis por "Quantas de nós".

Em Belo Horizonte, a obra será lançada no encerramento do IX Colóquio Mulheres em Letras, organizado pela Professora Constância Duarte.

A sessão de autógrafos está marcada para o dia 2 de junho, das 19h às 20h30, no auditório 1007 da Faculdade de Letras (Fale) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Vamos ler mulheres!