[Série] - Merlí

Merlí - Foto: Netflix
Elenco de Merlí - Foto: Netflix/Divulgação




Bom dia, ratinhos! Tudo bem?

Merlí - Foto: Netflix
Merlí - Foto: Netflix/Divulgação
Aqui vai uma dica de série para maratonar neste feriado! "Merlí" é uma produção catalã da TV3, escrita por Eduard Cortés e dirigida por Héctor Losano. As três temporadas estão disponíveis na Netflix.

O professor que dá nome à série leciona Filosofia para os alunos do Ensino Médio e é interpretado por Francesc Orella. Com um método próprio de ensino, Merlí Bergeron trabalha na escola onde estuda o seu filho adolescente Bruno Bergeron (David Solans).

Os episódios são informativos e muito, muito envolventes. Os títulos de cada um deles remetem a filósofos ou a escolas filosóficas, como "Platão", "Maquiavél" e "Os sofistas".  Merlí nomeia carinhosamente a classe de Bruno como "Os peripatéticos", em referência a um círculo filosófico da Grécia Antiga.

O elenco jovem é apaixonante! Carlos Cuevas interpreta o sedutor Pol Rubio, Elisabet Casanovas é a doce Tània, Pau Poch, o agorafóbico Ivan Blasco... Só de escrever estes nomes já fiquei cheia de saudade dos personagens! 

E, sim, "Merlí" só tem três temporadas. Achei isso tão legal. A produção não ficou enrolando, "inventando moda" demais, sabe? Os episódios são mais do que suficientes para envolver, encantar e deixar a turma de peripatéticos na memória de quem a conhece.

Tolerância, respeito e diversidade são muito presentes na obra. E esses são valores que precisamos recuperar urgentemente, não é mesmo? Assista e depois me conte o que achou! ;)
Merlí - Foto: Netflix
Francesc Orella interpreta Merlí - Foto: Netflix/Divulgação

Ouso dizer que esta é a minha série preferida! ♥ 

[Resenha] - Turma da Mônica Jovem Em Cores - Cebola

Turma da Mônica Jovem
Turma da Mônica Jovem
Os quadrinhos Turma da Mônica Jovem Em Cores são edições especiais publicadas pela Panini Books. Em "Cebola: O Grande Prêmio", os personagens de Maurício de Sousa aparecem adolescentes, mas com o mesmo jeitinho de quando eram crianças. Cebolinha é o protagonista de uma aventura no espaço que vai decidir quem deve controlar o destino de todos os planetas do Universo.

Turma da Mônica Jovem - Cebola
Turma da Mônica Jovem
A revista de capa dura tem 108 páginas e, nela, os amigos participam de uma competição em um jogo de realidade aumentada. No entanto, Cebolinha é "magicamente" levado para um diferente planeta, onde é desafiado a vencer uma corrida espacial.

Sentindo falta do amigo, os colegas Cascão, Mônica e Magali vão até o videogame usado por Cebola e, assim como ele, são teletransportados e chegam na importante corrida - que nada tem de virtual.

Moradores de outros planetas tentam prejudicar os terráqueos, alterando a aeronave e fazendo falsas alianças. Será que Cebola conseguirá decidir o futuro do mundo e manter a Terra a salvo?

Turma da Mônica Jovem - Cebola
Turma da Mônica Jovem
A Turma da Mônica também fez parte da infância de vocês? Que saudade dos meus gibis...

* cortesia da editora

[Lista] - Dia Internacional da Mulher

Boa noite! Tudo bem?

Como todo mundo sabe, hoje (8 de março) é o Dia Internacional da Mulher. Publiquei no instagram do blog uma lista de sugestões de livros de autoria feminina. Resolvi postá-la aqui também, falando um pouquinho mais sobre cada obra. Espero que gostem e que se sintam inspirados a ler mais mulheres!

1. Dissolução, Cláudia Lemes (leia a resenha)

Este livro foi lido e resenhado por mim em 2014 e até hoje martela na minha cabeça. As personagens me acompanham e me incomodam mesmo depois de quatro anos. Cláudia também é professora, tradutora e está sempre trabalhando em um novo livro. Isso tudo enquanto cuida dos três filhos.

2. Pequenas Grandes Mentiras, Liane Moriarty (leia a resenha)

O que falar de um livro que deu origem a uma série famosa, levando o tema da violência doméstica para milhares de casas? A obra tem três mulheres como protagonistas, cujas histórias se cruzam. Em diferentes níveis, elas sofrem por serem mulheres. Crime, solidão e maternidade são alguns tópicos abordados na obra de Liane.

3. A arte de entrevistar, Barbara Walters

O livro que me fez gostar de biografias! Barbara Walters é uma jornalista estadunidense que foi a primeira mulher a apresentar um telejornal. A trajetória profissional dela é admirável! Ela entrevistou personalidades como Truman Capote, Fidel Castro e Gandhi. Para alcançar o sucesso na profissão, infelizmente, ela relata que outras áreas de sua vida tiveram que ser deixadas de lado.

4. Para educar crianças feministas - um manifesto, Chimamanda Ngozi Adichie

Livro curtinho, gostoso de ler e essencial para refletirmos sobre como criamos as crianças e, querendo ou não, acabamos reforçando esteriótipos de gênero (que precisam ser combatidos!). O manifesto surgiu de uma carta de Chimamanda escrita para uma amiga que acabara de ter um bebê e virou uma lição para pessoas do mundo inteiro.

5. Malala, a menina que queria ir para a escola, Adriana Carranca (leia a resenha)

Xodózinho do meu coração, esse livro é maravilhoso por vários motivos. Primeiro: é um livro-reportagem escrito para crianças! Apuração em campo, entrevistas secretas e o talento com as palavras de Adriana Carranca já fariam do livro um tesouro. Mas aí vem uma segunda coisa: o projeto gráfico. As ilustrações de Bruna Assis Brasil, feitas com a mistura de desenhos e colagens, deixaram tudo ainda mais verdadeiro e tocante. E só para citar mais um motivo... é sobre a Malala, né? 

Júlia Lopes de Almeida
Júlia Lopes de Almeida
6. Júlia Presente, contos selecionados de Júlia Lopes de Almeida

Júlia Lopes de Almeida é uma escritora brasileira que, infelizmente, chega a passar despercebida (que novidade, né? Uma mulher apagada da história...). Eu só fui conhecê-la no ano passado. Ela nasceu no Rio de Janeiro, em 1862 e começou a escrever muito cedo. Aos 19 anos, já era colaboradora da Gazeta de Campinas (cidade onde cresceu). A jovem era malvista por se dedicar à literatura e defendeu, em suas mais de 40 obras, os direitos das mulheres de seu tempo. Participou das reuniões de formação da Academia Brasileira de Letras, mas foi proibida de ocupar uma das cadeiras por ser mulher. Morreu aos 72 anos e deixou para nós a missão de continuar falando sobre nossos direitos. O livro "Júlia Presente" traz contos selecionados por pesquisadores da Faculdade de Educação da UFMG (onde eu orgulhosamente estudo). Existem textos dela disponíveis gratuitamente no Domínio Público.

7. Coisa de menina, Pri Ferrari

Um livro feminista para bebês!!!!!!!!!!!
Pilar e o gatinho Samba
8. Série Diário de Pilar, Flávia Lins e Silva e Joana Penna

Gente, a Pilar é o objeto de pesquisa do meu mestrado. Todo mundo sabe que sou apaixonada por essa personagem corajosa e divertida. Deveria até amar menos, mas não consigo. Mesmo estando há mais de um ano debruçada sobre a série, não enjoei. hahaha Joana enriquece, com o projeto gráfico, o texto verbal de Flávia, e a união das duas forma uma obra interessantíssima. Flávia, além de escritora,  é roteirista, e foi quem criou os "Detetives do Prédio Azul", que as crianças adoram ver na TV.

9. Eu passei pelo inferno, Jutta Bauer

Jutta Bauer é uma ilustradora alemã muito premiada e prestigiada no mundo todo. Ela afirmou que a língua dela é a ilustração. Os desenhos têm mais espaço e expressividade em suas obras do que os textos verbais. Além de "Eu passei pelo inferno", escreveu e ilustrou outros títulos como "A rainha das cores", "Quando a mãe grita" e "Selma" (que eu sou doida para ter, mas está esgotado em quase todos os lugares).



Essas são apenas algumas das inúmeras mulheres que escrevem ou escreveram livros maravilhosos!  Literatura infantil, erótica, histórica, livros informativos, quadrinhos... Nós estamos por toda parte e chegaremos ainda mais longe!

[Resenha] - Livro: Diário de Pilar na Amazônia

Diário de Pilar
Diário de Pilar na Amazônia
O livro “Diário de Pilar na Amazônia” é o segundo volume da série “Diário de Pilar”, escrita por Flávia Lins e Silva e ilustrada por Joana Penna. A obra publicada pela Pequena Zahar tem 150 páginas e convida o leitor a admirar a fauna e a flora do Brasil.

Nesta aventura, mais uma vez acompanhada de Breno (seu mais-que-amigo) e do gatinho Samba, Pilar tem uma pista sobre o paradeiro do pai - que não sabe que ela existe. A rede mágica leva os três personagens até o norte do país, onde se veem dentro de um barco, navegando pelo Rio Negro.

Ali, eles conhecem Maiara e Bira, com quem fazem amizade. O encontro dos rios Negro e Solimões, que juntos formam o Rio Amazonas, deixa Pilar embarabatalhada! Enquanto procura pelo pai, a garota se dispõem a levar a nova amiga para conhecer o mar.

São apresentados a Pilar, neste passeio pela Amazônia, animais perigosos como onças e cobras; alimentos deliciosos que ela nunca havia experimentado; a sereia Iara; o defensor da mata Curupira e também o bicho-preguiça mais fofo do mundo: Kererê! Vale a pena embarcar com ela.

Saiba mais

[Resenha] - Livro: A criação

A criação, Bart Moeyaert e Wolf Erlbruch
Capa do livro A criação
O livro infantil "A criação", escrito pelo belga Bart Moeyaert e ilustrado pelo alemão Wolf Erlbruch, foi publicado pela extinta Cosac Naify.

Os autores, de forma bem-humorada, narram a criação da humanidade com base no texto bíblica. A principal diferença está no fato de o narrador estar presente, ao lado de Deus, durante todo o processo.
"Mas, afinal de contas, o que você quer de mim? Por que estou aqui? Para aplaudir? Para lhe dar um buquê de flores pelo esforço?" 
A criação, Bart Moeyaert e Wolf Erlbruch
A criação
De chapéu, sentado em um banquinho, ele palpita e assiste ao surgimento de todas as criaturas, vegetais e planetas do Universo.

O livro tem 32 páginas e apresenta um Deus bonachão, sorridente, que se diverte enquanto cria o mundo e sente muito orgulho do resultado.

Os sete dias da criação são como uma brincadeira gostosa e inexplicável, com uma dose de reflexão e beleza. Nem mesmo Deus é feliz sozinho.

Avaliação

A criação, Bart Moeyaert e Wolf Erlbruch
Ilustração de Wolf Erlbruch mostra Deus feliz e cercado por animais