[Resenhas] - Livros de mistério

Entre minhas últimas leituras estão as de dois livros carregados de mistério: O primeiro, “Os homens que não amavam as mulheres”, de Stieg Larsson, e, o segundo, “Os cinco porquinhos”, de Agatha Christie.


O livro “Os homens que não amavam as mulheres”, título original “Män som hatar kvinnor”, Millenium, conta a história de um jornalista chamado Mikael que é envolvido num escândalo em sua profissão (foi processado por não conseguir provar algumas fortes acusações feitas sobre desvio de dinheiro).

Seguindo tal acontecimento, foi incumbido de um novo trabalho: desvendar o mistério por trás do desaparecimento de uma garotinha muitos anos antes. Quem buscava respostas era Henrik, o avô da menina, e não mediria esforços para entender o que se passara em sua propriedade, quem poderia tê-la matado. Mikael contou com o apoio de uma problemática (e inteligentíssima) companheira: Lisbeth Salander.

Opinião: Não esbocei mais do enredo, pois seria crueldade com os prováveis futuros leitores desta obra maravilhosa da literatura sueca. Um livro surpreendente que não permite que se desvie o olhar das páginas porque o desejo da vida do velho Henrik passa a ser também o de quem está lendo: descobrir o que e como aconteceu a tragédia que assombra aquela família. São 522 páginas de uma agradável viagem a cenários e situações em demasia desagradáveis. Meu exemplar foi presente do sumido Digs e tem lugar de destaque na estante. Recomendo mesmo, muito bom.

Já o outro, intitulado “Os cinco porquinhos”, editora Record, escrito em 1943 por Agatha Christie Mallowan, “Five little pigs”, foi presente de minha tia Lelê e é uma leitura um pouco mais leve, mas não menos interessante.

Carla descobre aos vinte e poucos anos que seus pais legítimos (dos quais pouco se recordava) carregavam uma tragédia em sua história: sua mãe era acusada de ter assassinado o marido. No entanto, antes de morrer, na prisão, Caroline deixou à filha uma carta jurando inocência. A moça, então, contrata um detetive para vasculhar o passado em busca de respostas.

E o trabalho de Hercule Poirot começa aí: tentando desvendar o que se passou na propriedade dos Crale dezesseis anos antes. São cinco acusados, cinco pessoas que estavam presentes na cena do crime. Do melhor amigo do pintor assassinado à sua cunhada (com apenas 15 anos na época), ninguém está livre das suspeitas do atrevido Poirot.

Opinião: Final surpreendente, leitura gostosa! Recomendadíssimo! As personagens são encantadoras e algumas um tanto quanto dissimuladas. Primeiro livro dessa autora que li e gostei bastante. 

Por hoje é somente isso, espero que tenham gostado! Até a próxima! Beijos.

[Datas comemorativas] - Dia do Livro!


Tenho a estranha mania de enviar sms a um amigo meu quase toda manhã avisando-o sobre a Data Comemorativa do dia. E qual não foi minha surpresa ao perceber que hoje, além de ser comemorado o Dia de São Jorge, é também o Dia Mundial do Livro!

Como estou de férias há muito tempo, ele está passando num ritmo diferente, então fiquei um pouco assustada ao ver que já estamos no final de abril. Tudo bem, tudo bem, estou exagerando. Mas o fato de estar com tanto tempo livre está me aproximando ainda mais destes tesouros que, muitos sabem, são meus vícios: os livros.

Durante a minha infância meu pensamento nunca coincidiu com os dos meu coleguinhas e talvez tenha sido por isso que me encantei pela leitura tão cedo! E essa é uma das coisas de que mais gosto em mim: este prazer que tenho ao passar horas e horas com um livro sem nem perceber.

E hoje numa completa viagem nostálgica a tantos lugares que visitei através dos queridos livros posso afirmar que muitas personagens contribuíram para a formação (ainda inacabada) do que sou. Hoje é dia de comemoração! Mas uma comemoração silenciosa, feita entre o leitor e o autor apenas, em uma troca de conhecimento que vai além do tempo, do espaço, de qualquer coisa. O que está escrito, está eternizado.

E, como já postei no facebook e no twitter, o dia 23 de abril foi escolhido por ter sido neste dia, em 1616, que morreram William Shakespeare e Miguel de Cervantes. Morreram neste plano, contudo, como qualquer autor ou artista, permanecem vivos através do que criaram. /sorriso

Feliz Dia Mundial do Livro! Aproveite para organizar sua estante! /piscada