[Resenha] - Livro: Mulheres Sem Nome

Por - 09 julho

Mulheres Sem Nome - Marth Hall Kelly
Capa do livro Mulheres Sem Nome | Foto: Blog Intrínseca
O livro Mulheres Sem Nome (Título original: Lilac Girls), escrito por Martha Hall Kelly e editado pela Editora Intrínseca, fala dos horrores da Segunda Guerra Mundial do ponto de vista de três personagens femininas. Em 496 páginas, a obra relata os sofrimentos a que eram submetidas as prisioneiras do campo de concentração feminino de Ravensbrück, no norte de Berlim, Alemanha.

A primeira delas é Caroline Ferriday. Ex-atriz da Broadway, a socialite solteira trabalhava como voluntária no Consulado Francês, em Nova York. Além de realizar um serviço burocrático, ela enviada kits com roupas para crianças órfãs francesas. Em um evento beneficente, o destino dela acabou se cruzando com o de um ator francês (casado!), transformando a vida de ambos.

A segunda personagem narradora é Kasia Kuzmerick, uma adolescente polonesa capturada pelo exército nazista de Hitler em atividades de resistência e levada para o campo de concentração Ravensbrück. Ali, junto da mãe e da irmã mais velha, a jovem Kasia passou por dores e humilhações. A prisão exclusiva para mulheres confinava judias, prisioneiras políticas, prostitutas, testemunhas de Jeová e pessoas com deficiência.

Além dos trabalhos forçados, essas vítimas também eram usadas em experimentos, como o realizado pela terceira narradora: Herta Oberheuser. A médica alemã buscava oportunidades de trabalho que lhe permitissem exercitar a cirurgia, especialidade sonhada e negada a ela por ser mulher. Em Ravensbrück, ela encontrou essa chance, às custas da dor, da morte e do sofrimento de outras mulheres. Sem princípios morais e humanitários, Herta sempre concordou em servir ao reich, tendo, inclusive, participado de acampamentos onde jovens alemães eram autorizados a estuprar suas colegas para que os bebês gerados fossem "doados" ao sistema como futuros soldados.

No campo de concentração, a cirurgiã Herta cortava pedaços de músculos das prisioneiras, inseria vidro, madeira e outros materiais nos ferimentos e tratava ou não para testar a eficácia de algumas drogas. Os resultados eram dores incontroláveis, necrose de tecidos e a morte.Kasia Kuzmerick foi uma dessas vítimas que, por serem usadas como cobaias, foram apelidadas de "coelhas". Quando os experimentos foram descobertos e os nazistas decidiram matá-las para apagar os vestígios, todas as presas se envolveram para escondê-las.
Herta Oberheuser sendo julgada pelos crimes contra a humanidade | Foto: Blog Intrínseca

Após anos de pesquisas, Martha Hall Kelly escreveu um romance ficcional que possui muitas informações reais. A narrativa foi inspirada no sofrimento das Coelhas de Ravensbrück, representadas por Kasia (única das três narradoras que não existiu de verdade). Com o final da guerra e dolorosas consequências físicas, as sobreviventes dos experimentos não receberam apoio do governo polonês. Caroline dedicou boa parte de sua vida às Coelhas, conseguindo financiamento para que elas recebessem o tratamento adequado nos EUA.

♥ Leia um trecho ♥ Visite o site oficial ♥ Saiba mais sobre a autora

Você costuma ler livros que entrelaçam ficção e realidade? Tem algum para me indicar?

0 comentário(s)

Obrigada pela visita, sua opinião é muito importante. ;)


Ratas de Biblioteca 2010-2018.Conteúdo desenvolvido por Amanda Leocádio e Thaís Leocádio. Todos os direitos reservados.