[Resenha] - Livro: Memórias Póstumas de Brás Cubas

Escrito pelo mestre Machado de Assis, "Memórias Póstumas de Brás Cubas" é um marco do Realismo brasileiro. A obra serviu para revolucionar os romances do país através da sua crítica sutil, inovadora e inteligente à burguesia do século XIX.

Logo de início o livro já surpreende: nos deparamos com um defunto autor que dedica seus escritos ao primeiro verme que roeu seu cadáver. Com isso, Machado consegue ironizar as melosas e costumeiras dedicatórias presentes no movimento literário anterior: o Romantismo.

Somos guiados pelas memórias de Brás Cubas, nascido em uma família rica e, desde cedo, extremamente mimado. Personificação da classe burguesa da época, Cubas foi um homem ocioso de poucas realizações, amores vazios e grandes ressentimentos.

Por ser em primeira pessoa, Brás Cubas conduz a história como bem entende. Dessa forma, o livro não apresenta nenhuma ordem cronológica, sendo cheio de digressões, impressões pessoais e (fiquem atentos!), algumas mentiras.

Na obra, Machado deixa de lado o sentimentalismo e o moralismo superficial Romântico. Cubas conta todas as suas desventuras, seus preconceitos e mascara os seus fracassos. O aprofundamento psicológico do personagem nos permite julgar, por conta própria, o comportamento da elite brasileira e internacional. Mesmo sendo escrito em 1880, as temáticas abordadas continuam atuais.

Percebe-se que conhecer o período literário em que a obra se insere (o Realismo), o contexto histórico e o estilo machadiano é imprescindível para uma melhor compreensão da obra e da crítica inserida nela. Um leitor desavisado encontrará um livro divertido, porém com uma história um tanto quanto vazia.

"(...) Morrer, meu anjo? Que ideias são essas! Você sabe que eu morrerei também... Que digo?... Morro todos os dias, de paixão, de saudades..."

Avaliação:

Comente com o Facebook

10 comentários:

  1. Não consegui terminar de ler esse livro, na verdade era uma adaptação, mas mesmo assim Brás Cubas não me cativou.
    Mas adorei a resenha!

    Beijos
    utopiaincessante.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Também gostei da resenha, mas faço uma ressalva quanto à escola literária em que Machado foi enquadrado. Machado de Assis não era realista, apesar de ser um equívoco bastante apregoado e aceito por muitos. O Realismo quis sim, como você afirma, romper com o idealismo fantasioso do Romantismo, mas fazia isso aproximando-se da realidade crua, utilizando-se para isso de uma linguagem simples, cotidiana, pintando cenas que fossem fiéis ao mundo exterior. Como exemplo no cinema de obras realistas, temos muitos filmes italianos, como Ladrões de bicicleta e A árvore dos tamancos, que utilizavam personagens reais, para aproximarem-se assim do pragmatismo.

    O que acontece na literatura de Machado é uma transcendência da realidade, desnuda-se o não dito ou o interdito. As ironias de Machado são plásticas e feitas de palavras e silêncios, bebendo da fonte do Romantismo alemão.

    ResponderExcluir
  3. "A obra literária de Machado era marcadamente romântica, mas na década de 1880 ela sofre uma grande mudança estilística e temática, vindo a inaugurar o Realismo no Brasil com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). A partir de então a ironia, o pessimismo, o espírito crítico e uma profunda reflexão sobre a sociedade brasileira se tornarão as principais características de suas obras. Em 1897, Machado funda a Academia Brasileira de Letras, sendo seu primeiro presidente e ocupando a Cadeira Nº 23."

    http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/literatura/memorias-postumas-bras-cubas-resumo-obra-machado-assis-700293.shtml

    ResponderExcluir
  4. Amei sua ressenha , super perfeita, quero dizer que amo seu blog , não perco uma postagem ! Visitem meu blog :http://estanteliterarianews.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É o meu livro nacional favorito, sem dúvida! Adoro a forma satírica com que Machado conduz seus romances do Realismo, o cara é brilhante.

    Abraços,

    porenseetcs.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu não consegui ler, apesar de ser muito interessante é uma leitura muito difícil. E parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  7. Eu não consegui ler, apesar de ser muito interessante é uma leitura muito difícil. E parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  8. amo esse livro ja comprei um,vou apresentar uma peça sobre ele na minha escola.obrigado amanda por essa resenha.bjs :).

    ResponderExcluir
  9. Eu não gostei do livro

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, sua opinião é muito importante. ;)