[Resenha] - Livro: Esquina

O livro “Esquina”, escrito por Alessandra Giovanna e publicado pela Crivo Editorial, possui 48 páginas de poesias românticas. Entre os títulos, estão "Vou confessar", "Precipitou" e "Janelas que são portas".

Com sensibilidade e humor, a escritora fala do amor de uma forma leve, envolvente e real. Detalhes do dia a dia se transforam em arte pelas mãos da poetisa. As ilustrações de Celso Haddad enriquecem a obra.


Oh, pai do Sol

Hoje eu acordei com o avesso virado
O calor ficou por dentro, concentrado
E o sol que outrora estava no meio de mim,
eu mesma fiz o parto.
Que é pra não sair pelas frestas
só o brilho do maior filho que já viu nascer a Via Láctea.
Então, joguei ele pro céu,
neném começou a sorrir
E o que era só brilho virou vida
Dentro e fora de mim!"

- página 41

Opinião: Comprei o livro há alguns dias e devorei as poesias em minutos. Lelê é minha colega de faculdade e já falei para ela que o livro me encheu de emoções boas. O amor como foi retratado nele deixou meu coração leve e é do melhor “tipo” que existe: sem cobranças, com risadas no meio da tarde e com saudade mesmo tendo ficado só um tempinho longe de quem se gosta. Fiquei com os olhos cheios de lágrimas. Projeto gráfico fofinho. Leitura recomendada!

Avaliação: 

Saiba mais

[5 anos do blog] - Resultado do sorteio!



Boa noite, leitores!

Como prometido, trouxe o resultado do sorteio do livro "O Pequeno Príncipe", edição bolso de luxo da Zahar! :)

Antes, algumas palavrinhas sobre esses 5 anos de blog. Queria agradecer a quem nos acompanha desde o início, a quem nos conheceu no meio do caminho e também àqueles que leem os posts, mas não se "manifestam" por aqui. Obrigada por dividirem conosco essa paixão pela literatura!

O blog não cresceu muito em termos de audiência ao longo desse tempo, mas temos um público fiel e isso tem um valor imenso para nós. Quando alguém diz que se inspirou nesse cantinho da internet para também falar de livros nosso coração explode de alegria.

O Ratas de Biblioteca já foi tema de trabalho de escola, já me fez ser convidada para palestrar para estudantes, já nos aproximou de pessoas muito legais e até me deu um personagem em um livro. Através dele, Amandinha e eu nos tornamos irmãs mais amigas e também fizemos outros amigos.

Agradeço também às editoras, que nesse tempo encheram nossas estantes de livros, nos ajudaram a presentear nossos leitores e foram verdadeiras parceiras. Intrínseca, Zahar, Novo Conceito, Melhoramentos, Record... Valeu mesmo!

Aos escritores nacionais que também foram nossos parceiros, obrigada pela confiança, pelo trabalho bem feito e por valorizarem a nossa língua portuguesa.  Graças ao blog, li coisas incríveis antes de serem publicadas, fui apresentada a novos estilos e conheci de perto os desafios enfrentados pelos autores que publicam de forma independente.

Somos gratas de verdade. Que venham muitos outros anos, com muitos livros!

Agora o resultado...


Parabéns, Danielly! Espero que goste bastante do livro! Responda o e-mail em até 48h, ou outra pessoa será sorteada. O envio ficará por conta da Editora Zahar. ;)

Lembrando que para críticas, sugestões ou só jogar conversa fora, o e-mail rdebiblioteca@yahoo.com.br está sempre à disposição.

Beijos e boas festas, ratinhos!


[Trailer] - Animais Fantásticos e Onde Habitam

Olá, boa tarde!

Livro foi publicado no Brasil pela Editora Rocco
A terça-feira começou com uma notícia boa para os fãs de Harry Potter: saiu o primeiro trailer do filme "Animais Fantásticos e Onde Habitam"! A previsão é que a produção seja lançada em novembro de 2016.

O filme, ambientado no mundo bruxo 70 anos antes de Harry nascer, conta a história de Newt Scamander, autor do livro sobre animais fantásticos que compõe a bibliografica da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. O protagonista é interpretado por Eddie Redmayne, vencedor do Oscar por "A teoria de tudo". Assista:


A Warner anunciou três filmes para a série "Animais Fantásticos e Onde Habitam". Alguém mais está animado?
Em janeiro nós entrevistamos Carina Cardoso, que produziu uma releitura gráfica do livro como trabalho de conclusão do curso de Design Gráfico. Os desenhos ficaram lindos. Leia em [ENTREVISTA] - Carina Cardoso.
Releitura gráfica de "Animais Fantásticos e Onde Habitam" feita por Carina Cardoso. (Foto: Gabriel Reis)

[Resenha] - Livro: Nós

"Acho que nosso casamento já deu o que tinha que dar". 
O livro "Nós", escrito por David Nicholls e publicado pela Editora Intrínseca, conta a história de Douglas Petersen, um homem que percebe que o casamento dele está por um fio. Após anos de união, o filho único do casal, Albie, está de malas prontas para a universidade. No meio da noite, a esposa Connie diz que para ela acabou.

A família, no entanto, já havia planejado uma viagem pela Europa. Connie pede que Douglas não cancele e eles partem naquela que seria a última com os três juntos.

O livro passeia pelo presente e pelo passado, relembrando o início do namoro dos dois. Connie, uma artista, era impulsiva, alegre, inconsequente e encantadora. O cientista Douglas, por outro lado, era metódico, "careta" e gostava de sempre ter o controle da situação. Eles se conheceram e, de alguma forma, se apaixonaram.

Com a chegada de Albie, no entanto, a relação dos dois foi ficando complicada, pois as diferentes opiniões que outrora eram interessantes passaram a se tornar gritantes. Douglas queria criar alguém "preparado para o futuro" e Connie, alguém que valorizasse sentimentos e intuições.

A viagem acaba saindo de tudo o que havia sido planejado. Brigas, confusões, mágoas e palavras atravessadas entraram para o roteiro. Os três se separam durante o "grand tour" e isso faz com os três consigam se redescobrir.

Avaliação: 
Opinião: Vivi com o livro "Nós" uma relação de amor e ódio. A leitura pareceu não fluir e, por isso, demorei muito tempo para conseguir terminá-lo. Como a história é narrada por Douglas, as coisas pareciam muito repetitivas - o que, devo confessar, garantia mais "realidade" ao texto.

Enquanto lia fui me identificando muito com o protagonista e, talvez por isso, não tenha gostado tanto assim do livro. rsrs A personagem Connie, tão diferente de mim, era muito mais interessante e acho que eu iria gostar mais de conhecer a família Petersen pelos olhos dela.

Impossível ler e não refletir sobre os próprios atos, sobre as dificuldades que existem no simples ato de conviver. Passei a gostar de livro de viagens há pouco tempo, mas este não me fez "viajar" como os outros. Talvez pela própria tensão de estar "na presença" de alguém tão chato como Douglas. Apesar das controvérsias, é um livro que recomendo.
E vocês?
O que andam lendo?

[5 anos do blog] - Sorteio O Pequeno Príncipe



No dia 20 de dezembro, o Ratas de Biblioteca completa 5 anos. Para comemorar, nós sortearemos, em parceria com a Editora Zahar, um exemplar do livro “O Pequeno Príncipe”! A obra francesa, escrita por Antoine de Saint-Exupéry, é um clássico da literatura e traz inúmeros ensinamentos sobre amizade, solidão e amor.

Quer levar essa edição lindinha de capa dura para casa? Então leia as regras, preencha o formulário abaixo e participe! O único item obrigatório é curtir a fanpage do blog. As demais orientações são opcionais. A cada novo item extra cumprido, você pode preencher o formulário mais uma vez, aumentando suas chances de ganhar.

(O livro já foi mencionado aqui no blog diversas vezes. Para ler a resenha dessa edição da Zahar, clique aqui). 

Regras
Para participar você só precisa:
1. Ter endereço de entrega no Brasil;
2. Curtir a página do Ratas de Biblioteca no facebook;

3. Preencher o formulário abaixo uma vez.

Chances extras
Você pode preencher o formulário mais uma vez sempre que:
1. Compartilhar a imagem da promoção no Facebook PUBLICAMENTE (não se esqueça deste detalhe, você precisa alterar a configuração de privacidade);
Exemplo de post "público".

Atenção: Não há limites compartilhamentos no Facebook e postagens no twitter, mas pedimos que seja apenas uma vez por dia, ok?

2. Divulgar o sorteio em seu blog;
3. Seguir o @rtsdebiblioteca no Twitter;
4. Tweetar "O blog @rtsdebiblioteca está completando 5 anos! http://goo.gl/snkcnB";
5. Seguir o blog publicamente no Google Friend Connect (para isso, clique em Participar deste site, na coluna à direita);
6. Seguir @rdebiblioteca no Instagram (instagram.com/rdebiblioteca).

Lembrando que as "chances extras" são opcionais! Você pode preencher o formulário mais uma vez a cada item que cumprir.


Boa sorte!
Muito obrigada pela companhia ao longo desses anos! ♥ Se tiver dúvida sobre o sorteio, pode perguntar. ;)

Você pode participar até as 23h59 do dia 20/12/15. O vencedor terá 48h para responder ao e-mail com seus dados. Caso contrário, outra pessoa será sorteada.

[Resenha] - Livro: Alucinado som de tuba

"O problema do menor é o maior" - Carlito Maia

O livro "Alucinado som de tuba", escrito por Frei Betto e publicado pela Editora Ática, conta, em 117 páginas, a história de um menino pobre chamado Nemo.

O garoto vivia em um barraco com a família, até o dia em que receberam uma ordem de despejo. O pai, inconformado com aquela situação, tentou impedir que a casa fosse derrubada e acabou sendo preso por desacato.

O lar deles foi destruído e, em meio aos escombros, a única peça que Nemo conseguiu recuperar foi o bocal da tuba que o pai vivia tocando. O garoto, acompanhado de seus irmãos e de sua mãe, partiu de cadeia em cadeia em busca do pai preso.

Em um desses lugares, Nemo também acabou detido e foi jogando em uma cela com outros adolescentes. Desde então, ele perdeu contato com a mãe e com os irmãos.

O protagonista conseguiu fugir da prisão com os demais meninos e fez amizade com um deles: Banana. O novo companheiro lhe apresentou outras crianças que viviam na rua, como Letícia (filha de uma prostituta) e Panqueca (um garotinho magricela). Nemo se juntou ao bando.

O grupo contava com a proteção de Senhor Nicolau, um homem mais velho viciado em relógios. Ele morava em uma casa cheia de "controladores do tempo" e sempre convidava os pequenos para o lanche. Apesar de não concordar com os roubos que as crianças cometiam por necessidade, Nicolau era um porto seguro quando a situação apertava.

Entre furtos, confusões e saudade, o leitor é apresentado a personagens incríveis como a travesti Cleópatra, que cuida, em casa, de pessoas marginalizadas doentes que não recebem tratamento em hospitais. O livro é voltado para o público jovem e desenvolve temas como AIDS, criminalidade, menores infratores, transexualidade, loucura e abuso de poder policial.

Avaliação: 
Opinião: Uma das melhores leituras do ano! Peguei o livro sem grandes pretensões na biblioteca e me surpreendi. Já conhecia o trabalho do Frei Betto, mas não havia lido nada direcionado ao público jovem. Recomendadíssimo! Refletir sobre direitos humanos, respeito e igualdade é cada vez mais necessário. No final do livro há uma entrevista com o autor muito interessante. 


[Evento] - 15 anos de "O Diário da Princesa"


Crédito: Carol Reis
Li "O Diário da Princesa" pela primeira vez há uns oito anos. Eu lembro que Amandinha e eu descobrimos, nessa época, a "magia" de comprar livros pela internet. Em nossa cidade não havia livraria e essa foi uma solução bastante pertinente. Meu pai ficava feliz em comprá-los. Nós três nos reuníamos em volta do computador para escolher os títulos que chegariam em breve. Na primeira vez, escolhemos aleatoriamente três livros da série de Meg Cabot: "O Diário da Princesa", "A Princesa de Rosa-Shocking" e "A Princesa em Treinamento".

Reli "O Diário da Princesa" no mínimo quatro vezes. Corria os olhos pela estante em busca de algo que me fizesse rir e lá estava eu, mais uma vez, com o livro de capa cor de rosa na mão. Como me encantei por Mia Thermopholis! Nesse post aqui eu expliquei direitinho minha relação com a série. Na ocasião, eu estava triste por me "despedir" dos personagens, após 10 livros de confusões da realeza.

Crédito: Carol Reis
Mal sabia que Meg Cabot escreveria "O casamento da Princesa", 11º volume da série! E, comemorando 15 anos de publicação do primeiro livro sobre Mia, ela também lançou uma edição comemorativa de "O Diário da Princesa". (Linda, por sinal. Com capa dura revestida de tecido ). Em "turnê" pelo Brasil para autografar os livros, a escritora veio parar em Belo Horizonte.

Tive a oportunidade de entrevistá-la, na última quinta-feira (22), e esta foi uma experiência e tanto. Diante de mim, estava a mulher que criou personagens que me acompanharam durante a adolescência e que, hoje, continuam me divertindo. As séries "A Rainha da Fofoca" e "Os Mistérios de Heather Wells" têm me arrancado risadas quando preciso me distrair. Simpática e engraçada, Meg Cabot disse que adora seus fãs brasileiros.
Leia a entrevista em: "Meg Cabot comemora 15 anos de 'O Diário da Princesa' em Belo Horizonte".
Acho que jamais me esquecerei deste dia! Alguém mais foi às sessões de autógrafos pelo país? Também acharam a escritora uma fofa?

[Resenha] - Livro: Um útero é do tamanho de um punho

O livro "Um útero é do tamanho de um punho", escrito por Angélica Freitas e editado pela Cosac Naify, reúne poesias que dizem muito sobre ser mulher.

Fui atraída pelo título e imaginei que o conteúdo da obra fosse diferente - um feminismo mais "didático" - e me vi diante de relatos cotidianos, frases fortes e bem pessoais. Os 35 poemas me fizeram pensar sobre a pressão que existe sobre nós, mulheres, e a importância de nos mantermos unidas.

Em alguns momentos, a identificação com o que estava escrito no livro foi tão intensa que tive a sensação de ter levado um soco no estômago. Aprendi mais sobre mim e sobre os meus sentimentos.

A ausência de letras maiúsculas e de rimas me chamou a atenção. Leio poucos livros de poesia e os que costumo ler seguem estruturas menos livres. Acredito que esses detalhes me aproximaram ainda mais da obra, como se as histórias tivessem sido contadas por uma amiga.

Avaliação: 

"a mulher é uma construção
deve ser
a mulher basicamente é pra ser
um conjunto habitacional
tudo igual
tudo rebocado
só muda a cor
particularmente sou uma mulher
de tijolos à vista
nas reuniões sociais tendo a ser
a mais mal vestida
digo que sou jornalista"

trecho de "a mulher é uma construção"

+ Leia também a resenha publicada pela Carol Marques na Alpaca 

[Resenha] - Livro: Diário de Pilar na África

A Zahar publicou mais um Diário de Pilar! 
(Nós já resenhamos "Diário de Pilar em Machu Picchu" por aqui). 
 ~
Clique para ampliar.
O livro "Diário de Pilar na África", escrito por Flávia Lins e Silva e ilustrado por Joana Penna, traz mais uma história da aventureira Pilar.

Dessa vez, a garota e seu mais-que amigo Breno pulam na rede mágica e vão parar no continente africano, na época da escravidão. Lá, eles visitam países como a Nigéria e a República dos Camarões.

A dupla, assim que chega à África, conhece Fummi, uma bela princesinha iorubá. Eles são convidados pela família dela para uma grande festa e aprendem um pouco sobre a religião e os costumes daquele povo.

Fummi, princesa do povo iorubá e nova amiga de Pilar
Porém, algo terrível acontece. Os pais da princesa são levados por homens que escravizam outros homens. O trio, então, dá início a uma viagem de resgate, indo atrás dos navios negreiros.

Tentando consolar a nova amiga, Pilar permanece otimista e se esforça ao máximo para reunir aquela família. Na missão, os personagens contam com a ajuda de outras pessoas corajosas e, também, de um elefante. Ah, sem esquecer o Samba, o gatinho da Pilar.

O livro possui páginas que apresentam explicações didáticas sobre expressões, figuras históricas, países e animais.

Será que Fummi conseguirá reencontrar seu povo?

Diário de Pilar na África
Opinião: O livro faz parte de uma série. Pilar já viajou para diversos países em sua rede mágica. O modo com que a autora construiu essa personagem é encantador. Pilar é criativa, curiosa, inteligente e muito sensível. Em meio ao horror da escravidão, a história de "Diário de Pilar na África" possui elementos que valorizam o companheirismo, a coragem e a amizade.  Para muitas pessoas, ao ler "África", o que vem em mente é um grupo homogêneo. Na obra, a grandeza do continente e sua pluralidade ficam em evidência. Diversos países e grupos compõem aquela terra! Uma coisa que não gostei muito é que o ritmo do livro parece mudar bruscamente no final da história... Como se o desfecho viesse rápido demais, sabe? Mas gostei de todo o resto. As ilustrações são maravilhosas. Leitura recomendada, principalmente se acompanhada de uma conversa com as crianças sobre o que foi a escravidão e os reflexos que ela deixa em nossa sociedade.
~ ~
A obra é publicada pelo selo Pequena Zahar. No site da editora, existem mais informações sobre o livro. Navegue por algumas páginas:
Saiba mais:
[Resenha] - Livro: Diário de Pilar em Machu Picchu

[Resenha] - Livros: Destrua este diário em qualquer lugar e O mundo imaginário de...

Olá leitores! Essa semana recebemos um presente muito especial da Editora Intrínseca: os livros Destrua este diário em qualquer lugar O mundo imaginário de...









Destrua este diário em qualquer lugar
Depois de entreter milhões de pessoas ao redor do mundo com tarefas lúdicas que fogem do convencional, Keri Smith lança Destrua este diário em qualquer lugar.

Com instruções simples e bem-humoradas, atividades novas e algumas das páginas mais famosas do volume original, esse novo livro tem o formato perfeito para ser levado para qualquer lugar! Uma celebração da criatividade, da imperfeição e da exploração.

Mergulhe em um mundo de rascunhos, anotações aleatórias, cores e, o melhor de tudo, de destruição, em que lápis de cera, canetinha, giz, adesivos e muita imaginação são as suas mais valiosas ferramentas.

A proposta de Keri é estimular a criatividade e questionar as convenções, com a bandeira de que o perfeccionismo tão exaltado na nossa cultura é na verdade um grande empecilho do processo criativo. A palavra de ordem é esculhambar a monotonia e o lugar-comum para que o novo possa surgir com toda a força.









O mundo imaginário de...
Imaginar algo melhor e mais interessante é o que faz de nosso mundo um lugar de constante transformação. Alguns dos maiores atos revolucionários de nossos tempos aconteceram porque alguém teve coragem de pensar diferente.

Em O mundo imaginário de..., Keri Smith pede que o leitor crie um mundo completamente novo e inusitado. Primeiro, ela sugere listas: coisas amadas, coleções, cores, formas, ideias, pessoas e criaturas das mais fascinantes. Elencados nas páginas do livro, esses itens serão as pedras fundamentais do seu lar imaginário. Daí para a frente, as tarefas não param mais: construir paisagens, inventar nomes, bolar mapas, moeda, conceber habitantes, marcas, comidas, história e muito, muito mais.

Mais uma contribuição de Keri Smith às mentes criativas deste mundo, para artistas e sonhadores de todas as idades que vão revolucionar o cotidiano com todas as infinitas possibilidades de seus mundos imaginários.

E vocês, gostam de livros interativos? Mal vejo a hora de começar a destruir os meus! ♥  

[Entrevista] - Bruno Couto


Bruno Couto é um carioca de 26 anos que nunca foi ao Pão de Açúcar. Ele é formado em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e sonha em ficar famoso para receber várias cartinhas de fãs. Já participou da equipe do Cabine Literária e, agora, faz vídeos para seu canal pessoal, Um Rinoceronte.


O leitor 

1. Qual o livro despertou seu gosto pela leitura e quando foi isso?
Essa pergunta é muito estranha, porque eu sempre li muito, mas não por gosto. Minha adolescência inteira foi sempre "ler por ler". Nessa fase, eu já lia muito Dan Brown, revista de videogame e Scott F. Gerald.

Por isso, eu considero que eu não tinha "gosto" pela leitura. Em oposição, eu consigo lembrar de dois momentos em que ler foi um movimento prazeroso; quando li "Morangos Mofados" do Caio Fernando Abreu, e o livro "Os cem melhores contos da literatura brasileira" do Italo Moriconi.

O livro de Abreu, eu estava numa livraria muito interessado em começar a ler a obra dele, e um senhor disse pra mim "comece lendo 'Sargento Garcia' esse texto é um golpe certeiro, se você não sentir nada. Nem perca seu tempo lendo o resto." (Acho que não preciso deixar claro que o golpe foi certeiro).

O livro de Moriconi foi um divisor de águas, porque eu tava no início da faculdade, e precisava conhecer mais coisas, escritores e estilos novos, eu me encantei por esse livro por que eram 100 contos, contos são histórias em geral de 5 a 10 páginas, então se eu não gostar de um conto, o próximo salva o anterior. O problema foi que gostei da seleção do livro e tinha devorado suas 700 páginas como quem chupa sorvete na praia, nem ai para tempo e prazos.

2. Qual seu personagem favorito do universo literário?
O chapeleiro maluco é meu herói da literátura. A loucura é um tema que me interessa muito, tanto que minhas piadas estão sempre com esse viés de "o que as pessoas não esperam que aconteça" e o quê "realmente está para acontecer".

3. Qual o livro com que mais se identifica e por quê?
"Os dragões não conhecem o paraíso". É um livro angustiante que fala sobre silêncios nas relações de amor familiar, amor platônico, amor por sexo, amor por perda. Eu poderia aqui enumerar todos os estilos de amor que o livro de contos se trata. Mas, em geral, são todos em torno de amor, e não necessariamente terminam em felicidade como num filme amoroso da sessão da tarde. Por isso, tenho tanta consideração com esse livro, tem muita solidão retratada que me ajudou muito em como lidar com as pessoas ou questões com meu próprio corpo e/ou ao gesto simples de lidar com os desejos amorosos e carnais.

4. Um livro que foi adaptado para o cinema e você gostou.
"Ponte para Terabítia"! Um exemplo de arte que supera o livro. Geralmente a gente tem o hábito de dizer que nada supera o livro, nesse caso o livro não chega aos pés do filme.

5. Um livro que foi adaptado para o cinema e você detestou.
Ensaio sobre a cegueira.

6. Qual seu estilo literário preferido?
Contos fantasticos.

7. Qual o autor que mais admira?
Atualmente, eu ando encantado pela Ana Cristina Cesar. Eu não consigo entender como essa mulher conseguia tornar tanto conhecimento em algo simples do quotidiano.

8. Quantos livros leu em 2015? Qual o melhor até agora?
Esse ano li nove livros, e a melhor leitura até então tem sido "Brasil: Uma biografia", que meu Deus! É de tirar o fôlego! Tem me deixando angustiado de como tendemos aos mesmos vícios identitários ao lidarmos com nossos problemas.

9. Deixe uma citação, uma passagem de algum livro que seja especial para você.
"Repito todas as manhãs, ao abrir as janelas para deixar entrar o sol ou o cinza dos dias. Bem assim: que seja doce. Quando há sol, e esse sol bate na minha cara amassada do sono ou da insônia, contemplando as partículas de poeira soltas no ar, feito um pequeno universo. Repito sete vezes para dar sorte: que seja doce, que seja doce, que seja doce, e assim por diante. Mas, se alguém me perguntasse o que deverá ser doce, talvez não saiba responder. Que seja doce o dia quando eu abrir as janelas e lembrar de você. Que sejam doces os finais de tardes, inclusive os de segunda-feira – quando começa a contagem regressiva para o final de semana chegar. Que seja doce a espera pelas mensagens, ligações e recadinhos bonitinhos. Que seja(mais do que) doce a voz ao falar ao telefone. Que seja doce o seu cheiro. Que seja doce o seu jeito, seus olhares, seu receio. Que seja doce a leveza que eu sentirei ao seu lado. Que seja doce a ausência do meu medo. Que seja doce o seu abraço. Que seja doce o modo como você irá segurar na minha mão.
- Que seja doce. Que sejamos doce. E seremos, eu sei."
Caio Fernando Abreu - Os dragões não conhecem o paraíso.
O vlogueiro

1. Qual foi sua primeira experiência como youtuber?
Minha primeira experiência foi para o Cabine Literária. Nas férias do ano passado (2014), eu havia criado um texto de "como ler livros grandes". Danilo achou que ficaria bom sendo gravado em vídeo, fiquei meio desconfiado, mas ele me deu bastante apoio, e isso foi muito importante, além de ter aprendido muito com a confecção de vídeo e edição pelos toques que ele me deu, me sinto cria do Cabine Literária até hoje.

Eu nunca tinha me imaginado gravando vídeos para um canal no youtube, achava até algo menor, "ahh ele é o menino que faz vídeos para o youtube, que gracinha". O Danilo me deu a ideia, eu fiquei receoso no início, depois acabei aceitando. Usei o texto que tinha feito para o site como roteiro. E, pronto! Foram seis horas gaguejando na frente da câmera, com um amigo dizendo: "Anda!".
Imagina que tenho a língua presa, e a síndrome: meu-Deus-vai-TODO-MUNDO-ME-Sacanear-por-isso. E ninguém imaginaria: me sacanearam pelo áudio ruim, não pela minha língua presa (não é que meus doze anos de fonoaudióloga resultaram? Ninguém percebeu, ao menos não comentaram nos vídeos). E o legal da história toda é que o primeiro vídeo já passou dos 35 mil visualizações, isto é, a sub-celebridade que já está se preparando para se inscrever na Fazenda! (as inimigas piram)

2. Por que decidiu criar um canal pessoal?
Eu havia saído do Cabine por não conseguir dar conta de gravar vídeos toda semana, e, ainda estava me preparando para o mestrado. Minha rotina andava uma loucura! Esse ano consegui relaxar mais, e como fiz muitas amizades, por conta do Cabine, confesso que não tive uma hastag (#VoltaBruno), mas tive um carinho de gente que nem me conhecia pessoalmente me dando apoio para continuar, já que havia gostado muito da experiência no canal anterior comprei uma câmera e voltei.

3. Quais assuntos você aborda no canal?
Por enquanto, eu to tentando me adaptar ainda. O tema tem sido sobre cinema e literatura, que são minhas paixões, meu encanto. Mas penso em expandir, então quanto mais cresço com a edição, mais vão surgindo ideias para os próximos vídeos. Eu vou avançando com um passo de cada vez, estou sem pressa e com muitas pretensões, mas no meu ritmo. E, acredite: nada melhor na vida que ter seu próprio ritmo!

4. De todos os vídeos que você já fez, qual seu favorito?
O meu favorito foi o "Quem tem cacife pra falar sobre literatura?", um debate que a Tati Feltrin fez no canal dela, e eu achei super pertinente comentar sobre ele. Ainda tem gente que acha que literatura não é para todo mundo, imagina que bobagem e arrogância! Literatura é para todos!

Conheça mais o Bruno! (E mande cartinhas para ele)

[Resultado] - Sorteio: Pinóquio no País dos Paradoxos

Olá, leitores!

Saiu o resultado do sorteio do livro Pinóquio no País dos Paradoxos. Quem levará o livro para casa é a Lívia Vieira.

Parabéns, Lívia!

Lembrando que a vencedora tem 48h para responder o e-mail quem enviamos. Caso contrário, outra pessoa será sorteada.

Muito obrigada a todos que participaram! 

Beijo.

[Resenha] - Livro: O Pequeno Príncipe (Zahar)

Nossa raposinha com o livro "O Pequeno Príncipe".
"Só se vê bem com o coração."

Clique para ampliar a imagem.
Amandinha e eu estamos chocadas com a fofura dessa versão do livro "O Pequeno Príncipe" editada pela Zahar. A obra de Antoine de Saint-Exupéry ganhou capa dura nessa edição linda e se mantém fiel às aquarelas do autor. A tradução é de André Telles e Rodrigo Lacerda.

A história já foi resenhada aqui no blog ([Resenha] - Livro: O Pequeno Príncipe). De maneira sensível, o autor desse clássico conseguiu colocar em poucas páginas incontáveis lições de amor, amizade e humanidade. A cada nova leitura, outras mensagens são descobertas.

Na publicação, há um posfácio interessante que fala sobre a vida do autor e o contexto de criação do livro. O francês era aviador e atuou na Segunda Guerra Mundial. "O Pequeno Príncipe" foi publicado em 1943, nos Estados Unidos, durante exílio de Antoine. Mesmo tanto tempo depois, a obra permanece tocando adultos e crianças ao gerar reflexões sobre ética e valores.

♥ A história

O livro "Le Petit Prince" conta a história de um piloto que, em meio ao deserto africano, teve problemas em seu avião. Enquanto se esforçava para consertá-lo, um homenzinho apareceu ao seu lado, fazendo muitas perguntas.

Aos poucos, o piloto pôde compreender a vida do Pequeno Príncipe - que vivia em um pequeno planeta só dele, amava e cuidava de uma rosa, adora ver o pôr-do-sol e morria de medo que os baobás destruíssem seu lar.

O narrador descobre, ainda, que o princepezinho esteve viajando por vários planetas antes de chegar à Terra. As metáforas nessas visitas são bonitas e levam a uma reflexão sobre a condição humana: os vícios, as falhas, a vaidade, o desejo de poder... O Pequeno Príncipe orienta e emociona, basta ter sensibilidade para perceber seus ensinamentos.
"Nós escrevemos coisas eternas."


Ontem foi a estreia do filme "O Pequeno Príncipe", inspirado no livro. Só de ver o trailer já me emociono. Estou doida para ir ao cinema! Alguém aí já assistiu?


♥ Espero que tenham sido cativados por esse livro tanto quanto eu. 

Saiba mais sobre ele no site da Zahar e clique aqui para ler um trecho.

"Quando a gente anda sempre em frente, não pode mesmo ir longe..."

[Resenha] - Livro: A lista

O livro "A lista", escrito por Cecelia Ahern e editado pela Novo Conceito, tem 384 páginas e conta a história da jornalista Katherine Logan. Depois de produzir e veicular na televisão uma matéria sobre um suposto pedófilo, ela descobre estar enganada.

Além de destruir a vida de um homem inocente, Kitty colocou em risco sua própria carreira. Processada e demitida, ela tenta, aos poucos, retomar sua paixão pela escrita. Pelo menos o emprego na revista de seus amigos Bob e Constance está mantido.

Tudo seria mais fácil se ela pudesse contar com o apoio de Constance, mas, infelizmente, a editora não resiste a um câncer. Tendo-a como exemplo de amizade, companheirismo e criatividade, Kitty se esforça para realizar uma última matéria a pedido da amiga.

Poucos dias antes de morrer, Constance disse que tinha uma ideia muito bacana de reportagem e que depois explicaria tudo. Como não houve tempo para isso, a única pista deixada a Kitty foi uma lista com 100 nomes.

Qual a ligação entre essas pessoas? Qual o objetivo desse trabalho? Forçada a provar o tempo todo que ainda é uma boa jornalista, Kitty trabalha sob intensa pressão. O namorado com quem dividia o apartamento vai embora e o melhor amigo, Steve, diz que não a reconhece mais.

Em meio a tantos problemas, ela ainda tem que lidar com todo o tipo de ameaças - e sujeira na porta de casa - por conta daquela fatídica matéria.

Enquanto conhece as pessoas da lista, Kitty aprende muito sobre ela mesma.
Opinião: Como sou apaixonada por jornalismo, gostei bastante do livro! As descobertas de Kitty sobre o extraordinário no cotidiano me deixaram empolgada. Diante de histórias de pessoas comuns, eu sempre me emociono e, por isso, me identifiquei bastante com a obra. Aprender sobre os personagens da misteriosa lista junto com Kitty foi uma experiência legal. A responsabilidade e a ética jornalística também são itens apontados na obra, uma vez que a protagonista praticamente destrói a vida de um homem inocente. Leitura leve e recomendada. :)
Avaliação: 

Espero que tenham gostado!
Beijo

[Sorteio] - Livro: Pinóquio no País dos Paradoxos

Uma boa notícia para quem gosta de livros e de matemática: o blog Ratas de Biblioteca, em parceria com a Editora Zahar, vai sortear um exemplar do livro "Pinóquio no País dos Paradoxos - Uma viagem pelos grandes problemas da lógica"!

A obra foi escrita por Alessio Palmero Aprosio, recriando a história do personagem. Na aventura, o leitor acompanha o boneco de madeira em situações que abordam reflexões lógico-matemáticas famosas.

A Amandinha já resenhou o livro aqui no blog ([RESENHA] - Livro: Pinóquio no País dos Paradoxos) ♥ Clique aqui para ler as primeiras páginas e saiba mais sobre o livro no site da editora. Para participar do sorteio, leia as regras abaixo, preencha o formulário até às 23h59 do dia 31/08/15 e boa sorte!

Regras
Para participar você só precisa:
1. Ter endereço de entrega no Brasil;
2. Curtir a página do Ratas de Biblioteca no facebook;

3. Preencher o formulário abaixo uma vez.

Chances extras
Você pode preencher o formulário mais uma vez sempre que:
1. Compartilhar a imagem da promoção no Facebook PUBLICAMENTE (não se esqueça deste detalhe, você precisa alterar a configuração de privacidade);
Exemplo de post "público".

Atenção: Não há limites compartilhamentos no Facebook e postagens no twitter, mas pedimos que seja apenas uma vez por dia, ok?

2. Divulgar o sorteio em seu blog;
3. Seguir o @rtsdebiblioteca no Twitter;
4. Tweetar "Quero ganhar o livro Pinóquio no País dos Paradoxos no sorteio das @rtsdebiblioteca! http://goo.gl/Hecj4R";
5. Seguir o blog publicamente no Google Friend Connect (para isso, clique em Participar deste site, na coluna à direita);
6. Seguir @rdebiblioteca no Instagram (instagram.com/rdebiblioteca).

Lembrando que as "chances extras" são opcionais! Você tem o direito a preencher o formulário mais uma vez a cada item que cumprir.

Qualquer dúvida, é só perguntar!

Você pode participar até o dia 31/08/2015. O sorteio será realizado via Random.org e o vencedor será notificado por e-mail (caso não responda em até 48h, outra pessoa será sorteada).

Quem não gosta de números talvez passe a gostar. :P
Boa sorte a todos!